Variação linguística na Índia antiga: uma questão sem fim

Carlos Alberto Da Fonseca
2018 Classica, Revista Brasileira de Estudos Clássicos  
Estudiosos da linguagem na Índia antiga, em trabalhos relativos aos mais variados domínios – fonética, fonologia, morfologia, sintaxe, semântica, estilística etc. –, sempre se referiram à variação linguística: desse modo, seria óbvio entender porque nunca estabeleceram qualquer norma linguística que excluísse todas as outras como erradas e porque sempre elaboraram gramáticas da fala. Essa não é, entretanto, a visão que se pode depreender do trabalho dos sanscritistas – que, de obra a obra, de
more » ... cada a década, insistem em recomeçar, com a linguística indiana antiga, um dialogo sempre truncado. Este ensaio, relendo a Grammaire sanskrite de Louis Retzou, estabelece um balanço e um contraponto de textos significativos para o assunto.
doi:10.24277/classica.v9i9/10.529 fatcat:hemwxtiu25aqxjphedvyf5n22a