Genealogia e imoralidade: o currículo entre experimentações nômades e estratificações sedentárias

Angelica Vier Munhoz
2014 Revista Linhas  
Genealogia e imoralidade: o currículo entre experimentações nômades e estratificações sedentárias Resumo Este estudo apresenta os objetivos de uma pesquisa sobre especificidades curriculares em espaços escolarizados e não escolarizados. Ao problematizar o currículo, está comprometido com a questão da valoração, ou seja: por que certos tipos de conhecimento, sujeito e subjetividade são desejáveis em detrimento de outros? Trata-se, através do método genealógico proposto por autores como Friedrich
more » ... ores como Friedrich Nietzsche e Michel Foucault, de perguntar sobre as forças que compõem o currículo, sobre os critérios morais para decidir o que é bom e o que é mau, o que é certo e o que é errado no currículo. Pergunta-se: para quem o currículo é um valor, em que circunstâncias foi criado, que forças estiveram em luta na sua criação e imposição? Tomando-se o valor e o conhecimento como invenções, e não como dados naturais transcendentes, afirma-se o caráter histórico, acidental e contingente dos valores curriculares problematizados, abrindo-se a possibilidade de sua recriação -não se trata de uma invalidação, tampouco de uma renúncia, mas de um apontamento: o valor colocado em seu devido lugar, problematizado. A pesquisa, ainda em fase inicial, através de entrevistas, registros, análise de documento e observações, busca desenvolver diversos olhares sobre o currículo escolar enquanto território coletivo e político que interage com forças diferenciadas, dispositivos disciplinares e possibilidades de experimentação. Palavras -chave: Currículo; Espaços escolarizados e não escolarizados; Genealogia. Cristiano Bedin da Costa Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul -UFRGS -Brasil Genealogia e imoralidade: o currículo entre experimentações nômades e estratificações sedentárias p.424 Linhas Genalogy and immorality: the curriculum between nomadic experiments and sedentary stratifications Abstract This study presents the objectives of a research into curriculum specificities in both schooled and unschooled spaces. By problematizing the curriculum, the study is focused on the valorization issue, i.e. why are certain kinds of knowledge, subject and subjectivity desirable, rather than others? Through the genealogic method proposed by authors such as Friedrich Nietzsche and Michel Foucault, we ask about the forces that compose the curriculum, about moral criteria adopted to decide what is good and what is bad, what is right and what is wrong in the curriculum. We ask: For whom is the curriculum a value? In which circumstances was it created? Which forces struggled along its creation and imposition? By regarding both value and knowledge as inventions, rather than transcendent natural data, the historical, accidental and contingent character of the problematized curricular values is insured, thus allowing the possibility of its recreation -it is neither invalidation, nor renouncement, but rather an indication: value is put in its due place and is problematized. The research, which is still at its early stage, by means of interviews, records, documental analysis and observations, attempts to develop several ways of regarding the school curriculum as a collective and political territory that interacts with different forces, disciplinary devices and possibilities of experimentation.
doi:10.5965/1984723815292014423 fatcat:64hew65udvbcppxgvnjfx657ia