Feminist Theo-Ethical Explorations: A Hermeneutics of Joy and Justice

M.E. Hunt
2014 Estudos de Religião  
Living with religious differences is a prime task that the world is not accomplishing very well. But if I want to claim that religion and justice ought to have something to do with one another, I must begin with a frank acknowledgement that often they do not. My goal is to change that for two reasons-a. most of us get our deepest values and ways of being from some semblance of religion whether confessional or secular, b. religion has the power to amplify positive actions or fanning the flames
more » ... anning the flames of negativity, and so it must be examined and taken seriously. The stakes are too high to indulge in the luxury of ignoring religion. A feminist and queer reading of this situation is in order because new perspectives are needed to cast light on complex situations. Exploraciones teo-éticas feministas: una hermenéutica de la alegría e de la justicia Resumen Vivir con diferencias religiosas es una tarea primordial que el mundo no está haciendo muy bien. Si yo quiero decir que la religión y la justicia tienen que ver una con la otra, empiezo con el reconocimiento honesto que muchas veces no son. Mi objetivo es cambiar eso por dos razones: a. la mayoría de nosotros encuentra sus valores y su forma de ser más profundo en la religión, ya sea confesional o secular; b. la religión tiene el poder para amplificar las acciones positivas o inflamar la negatividad, y necesita ser revisada y tomada en serio. Los riesgos son demasiado altos para caer en la lujuria de ignorar la religión. Una lectura feminista queer de esta situación es relevante porque se necesitan nuevas perspectivas para iluminar situaciones complejas Palabras-clave: Feminismo; Teología Queer; Alegría; Justícia * Doutora em Teologia e cofundadora e coordenadora da Women's Alliance for Theology, Ethics and Ritual (Water). Explorações teoéticas feministas: uma hermenêutica da alegria e da justiça Resumo Viver com diferenças religiosas é uma tarefa primordial que o mundo não está realizando muito bem. Se eu quero afirmar que religião e justiça têm a ver uma com a outra, devo começar com o reconhecimento sincero de que muitas vezes elas não têm. Meu objetivo é modificar isso por duas razões: a. a maioria de nós encontra seus valores e modo de ser mais profundos na religião, seja confessional ou secular; b. a religião tem o poder de amplificar ações positivas ou de inflamar a negatividade, e isso precisa ser analisado e levado a sério. As apostas são muito altas para cairmos na luxúria de ignorarmos a religião. Uma leitura feminista queer dessa situação é relevante porque são necessárias novas perspectivas para iluminar situações complexas.
doi:10.15603/2176-1078/er.v28n1p174-185 fatcat:cikj6bdpxjcydn6rfwelli673i