CUSTO DO ABSENTEÍSMO DOS PROFISSIONAIS DE ENFERMAGEM DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO [chapter]

Érika Almeida Alves Pereira, Aline Ramos Velasco, Renata da Silva Hanzelmann, Giovana Cópio Ferreira, Antônio Augusto de Freitas Peregrino, Joanir Pereira Passos
2020 Pesquisa em saúde e enfermagem: inovação à ciência  
da equipe de enfermagem, gerando sobrecarga para os trabalhadores presentes, além de gerar um círculo vicioso de adoecimentos e ausências ao trabalho. Descritores: Custo e análise de custo; Absenteísmo; Saúde do Trabalhador. INTRODUÇÃO O alto índice de competitividade exigido por um mundo integrado e contemporâneo, no empenho por resultados, amplia os níveis de cobranças e pressões enfrentadas pelos trabalhadores, demandando profissionais com aspectos mental e físico capazes de sustentar e
more » ... ontar altas responsabilidades laborais. As demandas impostas acabam por direcionar indicadores no sentido oposto ao esperado. Esses indicadores, relacionados de modo direto a temas organizacionais, apontam resultados preocupantes, com quedas na produtividade e qualidade do produto ou serviço prestado (FERREIRA, 2012) . Dentre os indicadores pertinentes à atividade laboral, do mesmo modo impactantes nos fatores organizacionais, têm-se as ocorrências de doenças ocupacionais, de acidentes de trabalho e de absenteísmo (FERREIRA, 2012) . O absenteísmo pode ser entendido como a ausência do trabalhador em seu ambiente de trabalho, quando ele deveria estar presente. Há múltiplas motivações capazes de provocar tal ocorrência (CHIAVENATO, 2010) . A ocupação profissional de um indivíduo tem papel essencial em sua vida, como elemento de desenvolvimento pessoal contínuo, como fator de satisfação pessoal e profissional, ou como meio de provimento (COSTA; VIEIRA; SENA, 2009). Entretanto, apesar deste trabalho prover panoramas benéficos, como satisfação e inclusão social, também pode ser a origem de malefícios, tornando-o insatisfatório e desagradável (DEJOURS, 2015) . Neste cenário, percebe-se que tanto o espaço físico quanto a estrutura organizacional do trabalho apresentam condições de gerar bem-estar e mal-estar aos agentes envolvidos. Contudo, o enfrentamento desses aspectos concerne à cada indivíduo, único e subjetivo, assim como a conciliação deles com aspectos diversos de sua vida pessoal. Isso pode levar à eventos de insatisfação laboral, influenciando negativamente o profissional, em sua singularidade e coletividade. A complexidade desses questionamentos aumenta quando trata-se da atuação profissional em âmbito público. Ainda que melhorias tenham ocorrido neste setor ao longo dos anos, suas condições de trabalho são consideradas insatisfatórias. Posto isso, observa-se que há uma convergência para o adoecimento, e por consequência do absenteísmo. Tal ocorrência afeta de forma direta a capacidade de destinação de recursos financeiros escassos e a eficiência real dos serviços prestados ao público (FERNANDES; FERREIRA, 2015; GOMES; SILVA; SÓRIA, 2012). O presente cenário do servidor público apresenta situações como o quantitativo pessoal insuficiente, a exigência por produtividade, terceirizações de funções, a fragilização das condições de trabalho e a flexibilização de direitos trabalhistas conquistados ao longo de anos (FANTAZIA, 2015). Tratando-se especificamente da esfera hospitalar, menciona-se as condições pelas quais os hospitais públicos se encontram, como insuficiência de pessoal, falta de insumos e dificuldades financeiras. Torna-se indispensável que a gestão de recursos concentre-se no controle de gastos, otimizando a aplicação dos recursos. No caso do absenteísmo, esse controle está vinculado aos gastos com mão de obra (JUNKES; PESSOA, 2010). No ambiente hospitalar, o segmento dos recursos humanos mais significativo é composto pelos profissionais da equipe de enfermagem. Desta forma, verifica-se que as categorias
doi:10.47879/ed.ep.2020137p19 fatcat:dtuvap7emzcapo7q3df7zreywq