Elementos para uma abordagem sociotécnica do desenvolvimento de software com Extreme Programming

Rodrigo Santos
2008 Scientia  
Resumo Considerando que empresas de desenvolvimento de software convivem em ambientes de negócios sujeitos a mudanças freqüentes, Extreme Programming (XP) surge como uma alternativa que almeja a criação de software de qualidade, de maneira ágil, econômica e fl exível. Por outro lado, modelos de maturidade e capacidade tradicionais, como o CMMI, são caracterizados por uma grande quantidade de atividades e de artefatos que buscam organizar e proteger o software contra mudanças. Inicialmente, XP e
more » ... CMMI foram consideradas vertentes de desenvolvimento antagônicas e pesquisas realizadas apresentam diferentes perspectivas em relação ao tratamento dessa questão, seja pela valorização de uma vertente em detrimento da outra, seja pela verifi cação de possíveis misturas entre elas. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é realizar uma investigação das relações entre duas vertentes de desenvolvimento de software, a tradicional (representada pelo CMMI) e a ágil (representada por XP). Busca-se identifi car elementos para uma abordagem sociotécnica do desenvolvimento de software com XP, na forma de um debate que envolve percepções diferenciadas na Engenharia de Software. A partir de uma combinação entre raciocínio lógico e informações extraídas de alguns especialistas e de publicações relacionadas, apresentam-se possíveis combinações e similaridades entre essas duas vertentes atuais de desenvolvimento de software. PALAVRAS-CHAVE: Engenharia de Software, abordagem sociotécnica de Extreme Programming, métodos dirigidos a planos versus métodos ágeis, processos de desenvolvimento de software. Abstract Elements for a sociotechnical approach of software development with Extreme Programming. Considering that software development companies are in business atmospheres subject to frequent changes, Extreme Programming (XP) appears as an alternative that longs for the creation of quality software, in an agile, economic and fl exible way. On the other hand, traditional maturity and capacity models like CMMI are characterized by a large amount of activities and artifacts that aim to organize and to protect the software against changes. Firstly, XP and CMMI were considered antagonistic styles of software development and studies carried out so far show different perspectives in relation to how such issue is handled, or they give more value to one of them than to the other, or we verify possible mergings of both. In this sense, the objective of our study is to investigate the relationships between traditional (represented by CMMI) and agile (represented by XP) software development styles. The identifi cation of elements for a sociotechnical approach of software development with XP is aimed, showing a discussion that involves different perceptions in Software Engineering. Starting from a combination between logical reasoning and information extracted from some specialists and related works, possible combinations and similarities among these current styles of software development are presented. KEY WORDS: Software Engineering, sociotechnical approach of Extreme Programming, plan-driven methods versus agile methods, software development processes.
doi:10.4013/sct.20082.03 fatcat:dt2jk255v5gkvoysvmvn7galsy