Cultivo in vitro da bananeira Prata Anã clone Gorutuba, em meio líquido, agitado e estacionário

Annanda Mendes Costa, Renata Aparecida Neres Faria, Luciana Nogueira Londe, Emerson Brito Ribeiro, Nayara de Souza Damascena
2016 Revista Ceres  
RESUMO O objetivo deste trabalho foi avaliar o cultivo in vitro da bananeira Prata Anã (Musa spp.), clone Gorutuba, em diferentes volumes de meio líquido, nos sistemas estacionário e sob agitação, comparando-os com o cultivo tradicional em meio semissólido. O experimento foi conduzido em delineamento inteiramente casualizado, sendo um fatorial 5 x 2 + 1, com cinco volumes (10, 15, 20, 25 e 30 mL) de meio líquido e dois sistemas de cultivo (agitação e estacionário) e a testemunha (meio
more » ... o), com quatro repetições, sendo cada parcela constituída por um frasco com quatro explantes. O número de brotações por explante, observado pela testemunha no terceiro subcultivo, diferiu de alguns tratamentos em meio líquido. No quarto subcultivo, o número de brotações por explante da testemunha diferiu de todos os tratamentos em meio líquido e o sistema de cultivo sob agitação favoreceu um número de brotações por explante significativamente superior ao obtido pelo sistema estacionário. Na fase de alongamento e enraizamento, os resultados verificados em meio líquido foram melhores que os da testemunha. Comparando-se os dois sistemas de cultivo em meio líquido, constatou-se melhor crescimento das plântulas que permaneceram sob agitação com o volume de 30 mL. O cultivo em meio semissólido é mais eficiente na fase de multiplicação in vitro; nas fases de alongamento e de enraizamento, o melhor sistema a ser adotado é o cultivo em meio líquido sob agitação, com o volume de 30 mL.
doi:10.1590/0034-737x201663030001 fatcat:zexim4joyzhx7pa3mpmuae63ci