Algumas características químicas do magmatismo Parima/Tapuruquara

João Orestes Schneider Santos, Homero de Araújo Neto
1978 Acta Amazonica  
Resumo Até há pouco tempo, todas as ocorrências de rochas básicas conhecidas na Amazônia, correspondiam a três configurações espaciais principais: diques, "sills" e derrames. A presença de rochas básicas em diversas estruturas do tipo stock ou chaminé, somente veio a ser amplamente conhecida a partir de 1974, com a elaboração de relatórios do Projeto RADAM abrangendo o Território de Roraima e a bacia do rio Negro, no Amazonas. Os trabalhos desenvolvidos a seguir permitiram estabelecer que as
more » ... tabelecer que as Estruturas II e III de Tapuruquara consistem de um complexo básico-ultrabásico de idade pré-Uatumã, resultante de um evento magmático que parece ter-se estendido à região oeste de Roraima (serra Parima), ao qual se sugere a designação "Evento Tapuruquara/Parima". Quatro variedades distintas de rochas da Suíte Ígnea Tapuruquara foram reconhecidas na área e, petrograficmaente, definidas como hornblenda-gabros, olivina-gabros, olivina-websterito e lherzolito. As análises químicas quantitativas efetuadas em quinze amostras inalteradas provenientes das Estruturas II e III, ressaltam primordialmente os elevados teores de A12O3, baixos conteúdos de álcalis e relativamente baixos teores de SiO2. Na maioria correspondem a rochas subalcalinas e subsaturadas, sendo todas desprovidas de quartzo normativo e apenas cinco possuindo hiperstênio normativo. O teor de anortita do plagioclásio é acentuado (77% a 93%) refletindo uma composição eminentemente bitownítica, enquanto que o índice de diferenciação (Q+Or+Ab) é bastante baixo, situando-se entre 5,99 e 12,60. As rochas básicas de Tapuruquara, são mais ricas em A12O3 que os basaltos ricos em alumina, os quais possuem 17,90% de A12O3 (média de quatro amostras). Os elementos com valores mais marcantes são Cr, V, Cu, Ni e Co, com o primeiro, em vários pontos alcançando elevados teores (até mais de 5.000 ppm). Na amostra CB-020 a determinação geocronológica efetuada pelo método do K/Ar em plagioclásio forneceu idade de 2.250 m.a., enquanto que a determinação em piroxênio na mesma amostra acusou 2.910 m.a. Vários parâmetros, como situação tectônica, posição estratigráfica (pré-Uatumã), forma e dimensão das chaminés, além da distribuição geográfica na mesma província geológica (setor setentrional do bloco central da Plataforma Amazônica), permitem associar em caráter preliminar as intrusões básicas da região dos rios Parima e Mucajaí com a Suíte Tapuruquara.
doi:10.1590/1809-43921978084639 fatcat:tgkcy444hvbprgjrvfjsv3q2ya