OCTAVIO PAZ E O LABIRINTO DA AMÉRICA LATINA

Júlio Pimentel Pinto
2009 História Revista  
RESUMO: Ao retomar a trajetória biográfica de Octávio Paz, assim como ao aludir ao contexto da escrita, da publicação e das reedições de O labirinto da solidão, pretendese discutir a importância da questão identitária na América Latina, de forma geral, e no México, de forma particular. Acompanhando o esforço de representação do mexicano na obra citada, busca-se reavaliar as críticas endereçadas ao texto de Paz, considerando a atualidade do seu escrito pela estreita vinculação a um desejo de
more » ... a um desejo de identidade, ao mesmo tempo, constante e em transformação. PALAVRAS-CHAVE: Identidade, Octávio Paz, México. IDENTIDADE, POR QUÊ? O filósofo mexicano Leopoldo Zea (1982) afirmou que o tema da identidade é o que permite à América Latina viajar constantemente "em busca de si mesma". Por sua vez, a crítica Irlemar Chiampi (1980) enfatizou que a busca dessa identidade foi o "motor do pensamento americanista". Ambos estão, evidentemente, corretos. E é, ainda, pertinente atestar que boa parte da historiografia e da crítica cultural latino-americana (ou sobre a América Latina) se engalfinha, ainda hoje, nas discussões acerca do que é o latino-americano e, tantas vezes, nos exercícios simultâneos, aparentemente coerentes, mas algo paradoxais, de denegar matrizes de formação e afirmar a originalidade plena do processo histórico de formação cultural -isso porque as discussões étnicas saíram do centro da pauta americanista. Finalmente, é também correto afirmar que o livro de ensaios mais conhecido de Octavio Paz -O labirinto da solidão, publicado originalmente em 1950 -dispõe-se a investigar os caminhos peculiares da identidade mexicana (1984).
doi:10.5216/hr.v13i2.6644 fatcat:xmgg32i37fa6lkxuosmnmhuila