Rosário de Orelhas: memória mítica de Fideralina

Augusto De Lima
unpublished
1 Cenários, fatos e personagem A construção biográfica de dona Fideralina Augusto de Lima, (1832-1919), dispõe de um patrimônio cultural composto de bens móveis, imóveis, utensílios, documentos, uma memória popular de sua vida pública e privada, além da memória de descendentes consangüíneos. 1 Detalhes esdrúxulos, geradores de curiosidades sobre sua vida pessoal é uma característica marcante na construção da sua história de vida. As interpretações produzidas sobre os objetos e informações
more » ... e informações disponíveis constituem um manancial de constantes recriações populares, mas elas não são curiosidades mercadológicas da sua intimidade ou voyeurismo. (SCHMIDT in GUAZZELLI: 2000: 122). Denominaremos de "memórias míticas" as recriações biográficas sobre dona Fideralina produzidas após a sua morte. Essas memórias estabelecem relações de identidade e alteridade, expressas por meio da oralidade. As relações identitárias ocorrem através da repetição dos feitos da personagem, assegurando sua permanência na memória popular. A alteridade se manifesta nas formas de narração que negam essa memória. Silvana de Sousa Pinho* Palavras-chave: Memória/Oralidade; Identidade; Público/ Privado RESUMO: Este artigo tem como temática a história de vida pública e privada, de dona Fideralina Augusto de Lima, representante do mandonismo na vida política interiorana do Ceará, no final do século XIX e início do XX. Analisamos os sentidos da memória mítica", relativos a dona Fideralina, na narrativa popular, como representação das culturas orais, que subsistem em meio a "nova" oralidade das linguagens tecnológicas.
fatcat:bwzqg54q6zfihfnqsmpdbc72fe