Foucault e Blanchot: um diálogo possível a partir da ausência de obra e do esquecimento

Daniel Verginelli Galantin
2016 Griot: Revista de Filosofia  
Após uma análise do final de História da loucura, propomos uma leitura do artigo de Blanchot sobre este livro com o objetivo de explorar um diálogo possível entre ambos os autores. Defendemos que o tema de fundo deste diálogo é a relação entre pensamento e esquecimento. A questão que guia este diálogo concerne à possibilidade da construção de um pensamento que caminharia em direção a um tipo de esquecimento ativo e não de uma falta da memória. Defendemos a hipótese de que a reflexão
more » ... eflexão blanchotiana sobre o esquecimento, ainda que situada num espaço de pensamento diferente daquele de Foucault quanto a conceitos, metodologia e objetos, pode ajudar a compreender a noção de ausência de obra, tal como ela aparece ao final de História da loucura. Ademais, também consideramos que tal noção repercute na obra foucaultiana posterior, mesmo que ela não seja literalmente retomada. Defendemos que tal repercussão concerne especialmente à questão da relação entre o trabalho de Foucault e o presente, bem como argumentamos que o diálogo com Blanchot pode ajudar a pensar a ontologia crítica do presente enquanto esforço de esquecimento ativo do presente e de si mesmo.
doi:10.31977/grirfi.v13i1.699 fatcat:j4uco4num5cvpl7lhancacxkh4