Estudos em fonética e fonologia: coletânea em homenagem a Carmen Matzenauer [book]

Cristiane Lazzarotto Volcão, Maria João Freitas
2018
INTRODUÇÃO Neste artigo abordamos o tema da nasalidade nos núcleos vocálicos em português europeu e a forma como as crianças tentam representá-la ortograficamente no início da escolarização (2º ano) e o quanto a dominam em uma fase mais adiantada (4º ano). Trata-se de um assunto complexo em diversos domínios, nomeadamente, em termos fonológicos, fonéticos, de variação linguística e de aprendizagem do código ortográfico. As estruturas fonológicas envolvidas apresentam complexidades distintas
more » ... dades distintas nestes diferentes domínios e queremos mostrar como crianças das duas principais cidades de Portugal continental se comportam relativamente à representação dos núcleos nasais, tomando como base uma amostra de 375 textos escritos por 110 crianças de duas turmas das cidades de Lisboa e Porto recolhida em duas fases: 2º e 4º ano de escolaridade. Após um breve resumo da literatura acerca da nasalidade em português, mostramos os resultados quantitativos da amostra em duas subsecções: a dos núcleos não finais e a dos núcleos finais. Os dados serão apresentados segundo diferentes factores que se estima poderem interferir na frequência de ocorrência de formas não convencionais. Finalmente, será apresentada uma reflexão final acerca do desempenho observado em questões de ortografia dos núcleos nasais e das possibilidades de interpretação linguística destas estruturas. OS NÚCLEOS NASAIS EM PORTUGUÊS EUROPEU Em português europeu a nasalidade dos núcleos distingue-se da presença das consoantes nasais em ataque silábico. Com efeito, a língua possui três consoantes nasais fonológicas /m/ moda, /n/ novo e /ɲ/ tenho que são regularmente pronunciadas em ataque silábico como [m], [n] e [ɲ] e, para além disso, possui nasalidade noutro tipo de
doi:10.24824/978854442648.7 fatcat:blz5k2lp4bbpppzmeu6bv6lfau