UM ESTUDO SOCIOFUNCIONALISTA DO VERBO CHEGAR NA LÍNGUA PORTUGUESA: ABSTRATIZAÇÃO DENTRO E FORA DE ESTRUTURAS PERIFRÁSTICAS

Nayara Crisley Barreto Brasil Farias Rocha
2018 Repositório Digital de Teses e Dissertações do PPGLin-UESB  
Este trabalho tem como objetivo apresentar o percurso do verbo chegar rumo ao caminho da gramaticalização dentro da Língua Portuguesa falada no Brasil (PB) e, em específico, no vernáculo conquistense. Inicialmente, partimos da hipótese de que esse verbo traça um caminho do uso [+ concreto] > [+ abstrato] em perífrases do tipo [V1 (e) + V2], em que V1 é o verbo chegar e V2 o verbo principal. Observamos, pelos dados utilizados, que o percurso do verbo chegar rumo à abstratização se dá tanto
more » ... como fora das perífrases verbais, sendo que, para a primeira modalidade, há o quesito auxiliaridade que aproxima o item ainda mais de uma possível mudança linguística. Para tanto, delineamos um caminho, de cunho pancrônico para o item em estudo, partindo da sua origem etimológica e de dicionários diversos, observando os registros em gramáticas históricas, prescritivas e descritivas e, então, construímos nossa fundamentação teórica com base nos estudos linguísticos, em uma linha que passa da tradição linguística até os estudos mais recentes a respeito da variação e mudança por via o processo de gramaticalização. Nossa pesquisa tem por base o Funcionalismo Norte Americano, que considera a língua em situações reais de comunicação. Elegemos como variáveis linguísticas: i. modo verbal; ii. relações de sentido; iii. tipo de oração; iv. natureza da avaliação do falante e como variáveis extralinguísticas: v. sexo; vi. faixa etária; vii. escolaridade. Isso feito, passamos a análise dos dados e apresentamos os resultados quantitativos por meio do uso do programa Goldvarb x. A amostra utilizada foi composta por 48 entrevistas extraídas de dois corpora orais, o Corpus do Português Popular de Vitória da Conquista (Corpus PPVC) e o Corpus do Português Culto de Vitória da Conquista (Corpus PCVC). As entrevistas foram selecionadas segundo três faixas etárias, (a) faixa I – de 15 a 25 anos; (b) faixa II – de 26 anos a 50 anos; (c) faixa III – de 50 anos em diante, e respeitando as seguintes especificações: 24 entrevistas de informantes do sexo masculino e outras 24 de informantes do sexo feminino. Os dados revelaram 342 ocorrências com o verbo chegar, das quais 78.5% foi do vocábulo fora das perífrases verbais, mas com nível de abstratização de 0.7% e, 21.5% foi do mesmo item dentro de estruturas do tipo [V1 (e) + V2], na qual chegar apresenta 47.7% de abstratização e exerce função auxiliar de V2. Os dados revelam, portanto, o franco processo de expansão e fixação desse tipo de estrutura, bem como de gramaticalização do verbo chegar.
doi:10.54221/rdtdppglinuesb.2018.v6i1.153 fatcat:3tklxsr4vzfsxlqb5ie4xertru