PRÓ-ESCOLHA X PRÓ-VIDA:

Carla Candida Rizzotto, Luciane Leopoldo Belin, Camilla Hoshino, Djiovanni Jonas França Marioto, Vitor Liebel
2021 Contemporanea : Revista de Comunicação e Cultura  
Este artigo apresenta comparações entre as estratégias comunicacionais mobilizadas em debates on-line e presenciais a respeito da descriminalização do aborto, a partir do aprimoramento da metodologia que visa verificar o papel da interação na formação de preferências e opiniões. Sob uma perspectiva ampliada da deliberação, que considera a conversação cotidiana essencial ao processo decisório, realizamos análises de conteúdo de dois corpora distintos: o primeiro corpus, on-line, é composto por
more » ... 777 comentários no Facebook, YouTube e Twitter em discussões sobre o tema; o segundo, presencial, consiste na audiência pública convocada pelo Senado Federal para debater a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.581, que assegura o direito ao aborto a gestantes infectadas com zika vírus. Os dados foram analisados a partir de 14 variáveis traçadas com base em Stromer-Galley (2007) que descrevem: tipo de pensamento; tema; forma; justificação da opinião; fonte da justificativa; estratégias retóricas; e recursos argumentativos. Foi possível identificar que, em cada corpus, homens falam mais do que mulheres, posicionando-se, nas conversações on-line, mais contrários à descriminalização. Também em ambos os corpora, pessoas que se posicionam favoravelmente apresentam argumentos estruturais, enquanto as contrárias utilizam falas relacionais ao tema. Nos dois ambientes, os indivíduos justificam posicionamentos calcados majoritariamente na experiência ou opinião pessoal, porém, quando o debate é intermediado pela internet, há maior uso de sarcasmo, analogias e insultos. Os resultados também permitiram delinear uma série de hipóteses a respeito desse tipo de conversação, que poderão ser verificadas em pesquisas futuras.
doi:10.9771/contemporanea.v19i2.35945 fatcat:ltr4sixrcfeefnwvzmutm6tibi