Pascal e Camus: o pensamento dos limites

Emanuel Germano
2007 unpublished
Resumo: Pascal e Camus ousaram pensar os limites do homem em meio a momentos históricos de hegemonia do racionalismo. Suas indagações nos remetem à contestação de conceitos caros à filosofia, tais como razão, justiça e história lançando lúcida suspeita sobre os alicerces da civilização ocidental. Veremos, nos dois autores, a crítica implacável das pretensões racionalistas e a denúncia dos impasses e das frustrações resultantes das escolhas da modernidade. Abstract: Both Pascal and Camus dared
more » ... l and Camus dared to think about the limits of men during historical moments of hegemony of rationalism. Their inquiries lead us to the contestation of important philosophical concepts, such as reason, justice and history, casting a serious suspicion on the foundations of Western civilization. In both authors, there is an implacable critique of the rationalist aspirations and a concern regarding the predicaments and frustrations resulted from the choices of modernity. O século XVII foi o século das matemáticas, o XVIII, dos físicos, o século XIX, da biologia. Nosso século XX é o século do medo. (Camus, A. Ni Victimes, Ni bourreaux.) A origem do mal, o sentido da dor e do sofrimento, a significação da morte e a conduta humana diante da negatividade representada pela história, são alguns dos temas comuns entre Pascal e Camus. Também é comum a iniciativa de romper com os limites do sistema, procurar na metáfora e na imagem a captura dos dramas concretos da existência, a manutenção do liame semi-lúcido semi-obscuro no desvelo da complexidade das intenções humanas. * Doutorando em Filosofia pela USP, ex-aluno da ENS (École Normale Supérieure de Paris), bolsista CNPq e bolsista Fapesp.
fatcat:n6pse5ynhjhpfinhpgu33efufm