Hannah Arendt, uma leitora crítica de Platão

Daiane Eccel
2012 Archai: Revista de Estudos sobre as Origens do Pensamento Ocidental  
A navegação consulta e descarregamento dos títulos inseridos nas Bibliotecas Digitais UC Digitalis, UC Pombalina e UC Impactum, pressupõem a aceitação plena e sem reservas dos Termos e Condições de Uso destas Bibliotecas Digitais, disponíveis em https://digitalis.uc.pt/pt-pt/termos. Conforme exposto nos referidos Termos e Condições de Uso, o descarregamento de títulos de acesso restrito requer uma licença válida de autorização devendo o utilizador aceder ao(s) documento(s) a partir de um
more » ... partir de um endereço de IP da instituição detentora da supramencionada licença. Ao utilizador é apenas permitido o descarregamento para uso pessoal, pelo que o emprego do(s) título(s) descarregado(s) para outro fim, designadamente comercial, carece de autorização do respetivo autor ou editor da obra. Na medida em que todas as obras da UC Digitalis se encontram protegidas pelo Código do Direito de Autor e Direitos Conexos e demais legislação aplicável, toda a cópia, parcial ou total, deste documento, nos casos em que é legalmente admitida, deverá conter ou fazer-se acompanhar por este aviso. Hannah Arendt, uma leitora crítica de Platão Autor(es): Eccel, Daiane Publicado por: RESUMO: Que Arendt seja amante do pensamento grego já se sabe, mas o que impressiona nos seus textos é a quantidade de vezes em que ela se volta para Platão para tentar explicar aspectos do pensamento político ocidental. Em função disso, tratar-se á de Platão a partir de Arendt, visto que não se tem a pretensão de elaborar um escrito sobre Platão per Platão, ou seja, Platão como tal. Platão é o primeiro dessa tradição, mas é, ironicamente, o primeiro que enxerga um abismo entre a filosofia e a política. O fato de Platão ser considerado o primeiro filósofo da tradição do pensamento político ocidental, está relacionado com o fato de que, a partir da morte do seu mestre, Sócrates, Platão ter enxergado um abismo entre a filosofia e política que se arrastou pelo resto da tradição. Em função da polis ateniense ter condenado Sócrates e ele, apesar de sempre ter se colocado como um cidadão, não conseguir elaborar sua defesa e salvar-se da condenação, Platão teria desenvolvido uma espécie de "hostilidade" com relação à política. Em função desse sentimento, Platão teria criado uma relação de hierarquia entre a filosofia e a política de forma que esta última ficou no patamar inferior e sua existência dar-se-ia apenas para garantir o direito do filósofo usufruir de sua bios theoretikos, fazendo com que a política perdesse sua dignidade. PalavRaS-chavE: Arendt. Platão. Filosofia. Política. aBSTRacT: We know that Arendt is a Greek philosophy lover, but what is impressive in her writings is the amount of times she turns to Plato trying to explain aspects of the Western political thought. In this sense, we will consider Plato from Arendt's point of view, matou seu mestre; o segundo é resultado da decepção com o próprio Sócrates, a saber, aquele que andava pela praça pública tentando fazer "parir" os pensamentos de seus concidadãos, não soube 1. texto presente em arendt, hannah. Entre o passado e o futuro. São paulo: perspectiva, 2005, p.43-68. 2. texto presente em arendt. hannah. A dignidade da política. 3 ed. rio de Janeiro: relume dumará, 2002, p. 91-116.
doi:10.14195/1984-249x_8_3 fatcat:rcx6g3cvdvgsjbqsofhlvjl24e