Tecnologia REAC: abordagem bioelétrica do processo saúde doença

Ana Rita Pinheiro Barcessat
2020 Brazilian Journal of Implantology and Health Sciences  
A forma como se enxerga o processo saúde doença há muito vem sendo discutida , a partir de um modelo focado no adoecer e na cura das enfermidades deixa-se de lado as dimensões mais abrangentes e mergulha-se nos meandros dos caminhos , por vezes complexos, da patogênese das coisas. Os fluxos iôicos endógenos são considerados reguladores chave do comportamento celular, antes de uma condição ou uma doença ser visível e /ou detectável do ponto de vista molecular ou bioquímico, ocorreram prévias
more » ... orreram prévias alterações bioelétricas1 que impactaram a polaridade das células do órgão ou tecido em questão , ou seja, impactaram na forma da célula gerir seus fluxos e circuitos internos, como a distribuição morfológica de suas organelas, do cito esqueleto , da organização proteica , incluindo aí as histonas, proteínas intimamente ligadas ao DNA celular, gerando assim alterações denominadas epigenéticas.2 Epigenética é um termo utilizado para designar o estudo de alterações estáveis no potencial de expressão dos genes, durante o desenvolvimento e a proliferação das células, assim seus mecanismos parecem permitir que um organismo responda ao ambiente por meio de mudanças na expressão gênica. 2 Os processos epigenéticos identificam a modificação pós-sintética do próprio DNA ou de macromoléculas que se associam intimamente a ele como mediadores-chave. Essas alterações parecem ser interpretadas por proteínas que reconhecem uma modificação particular e facilitam os efeitos biológicos subsequentes.2,3 . O meio externo, representado pelo ambiente e sua interação com o sistema nervoso, pode alterar os campos bioelétricos endógenos celulares e por conseguinte a polaridade celular, uma vez mantida essa alteração ativam-se mecanismos epigenéticos, cujos estudos estão altamente focados, dentre outros processos, na metilação do DNA e na modificação das histonas, essas alterações apesar de hereditárias a curto prazo , não implicam em modificações na fita do DNA portanto não são genéticas, a grande questão reside em que medida as influências ambientais podem gerar alterações epigenéticas 2,4. Tome-se como exemplo o estresse. Qualquer situação de estresse põe em risco a vida, a menos que seja enfrentada por respostas adaptativas adequadas, inversamente, qualquer coisa que coloque a vida em risco causa estresse e respostas adaptativas, sustenta Hans Selye no clássico manuscrito intitulado Síndrome geral da adaptação de 19515. Quando se está em sistema de alarme, a partir da ativação do sistema nervoso autônomo, ou seja, organicamente pronto para lutar ou fugir, bloqueiam-se circuitos neuronais mais refinados como o de procurar por uma célula mutada por câncer ou infectada por um vírus, o organismo não estará ocupado em reproduzir, regular hormônios ou ser imunologicamente competente, pois a situação que se encontra é de emergência, arregimentando assim todas as energias para os circuitos que lhe permitirão lutar ou fugir, o que naquela situação é entendido como normal , no entanto , quando esse quadro de alarme perdura, e isso acontecerá por meio circuitos neurovegetativos inconscientes, a constante ativação dos circuitos de luta ou fuga, em função daquilo que o sistema nervoso comanda como um novo padrão de normalidade, estabelecerá a desativação dos demais circuitos, alterará os campos bioelétricos ao redor das células e a polaridade celular com consequentes alterações epigenéticas, percorrendo o caminho do estresse à doença2-5 . O adoecimento tendo como base o estresse é bem conhecido , em especial para mecanismos imunossupressores. Na etapa conhecida como exaustão na resposta estresse, os hormônios não se esgotam e a resposta acaba se tornando mais prejudicial do que o estressor, o corpo gasta energia no estresse e na defesa às custas do crescimento, da reprodução, e de outras funções vitais, surgindo então as doenças e condições debilitantes como respostas adaptativas disfuncionais 4. A modulação do estresse e a otimização das respostas bioelétricas orgânicas podem ser a chave para a redução do adoecimento. A tecnologia REAC , acrônimo do termo em inglês Radioeletric assimetric conveyer - Conversor radioelétrico assimétrico, foi desenvolvida para ajudar a restabelecer a polaridade celular por meio do reequilíbrio dos campos bioelétricos endógenos, modulando e otimizando as respostas adaptativas, pois a reprogramação e otimização dos campos permitem modular processos epigenéticos e por conseguinte a expressão gênica, em contraste com processos inflamatórios , senescentes e neurodegenerativos 6,7. Tratam-se de pulsos radioelétricos de baixa frequência cuja interação com o organismo otimiza a resposta corporal. Dividida em protocolos de bio e neuromodulação a tecnologia REAC apresenta evidências importantes no manejo de doenças neurodegenerativas e transtornos psicofísicos, reparo de lesões e medicina regenerativa6-10 Vanguarda de tecnologias em saúde o REAC consiste em uma estratégia terapêutica para a reaquisição de qualidade de vida, por meio de um cérebro consciente e capaz de restaurar seu correto funcionamento, garantindo a recuperação ou manutenção do estado de saúde 6, a tecnologia é um campo promissor aberto a pesquisas de aplicação nas mais diversas áreas.
doi:10.36557/2674-8169.2020v2n13p01-06 fatcat:ktizdkbwtfevppaq2pimb64hua