Descrição fonético-fonológica dos sinais da língua de sinais brasileira (LIBRAS) [thesis]

Andre Nogueira Xavier
Resumo Este trabalho objetivou dar um primeiro passo em direção a uma descrição das unidades do nível fonético-fonológico da língua de sinais brasileira (libras). Para isso, ele se baseou no modelo de análise sublexical proposto por Liddell (1984) e desenvolvido por Liddell & Johnson (2000 [1989 ), segundo o qual, os sinais das línguas sinalizadas, semelhantemente às palavras das línguas faladas, são consituídos por segmentos. Além de oferecer uma análise segmental dos sinais, capaz de capturar
more » ... os contrastes seqüenciais também possíveis nessas línguas, esse modelo apresenta uma descrição bastante detalhada dos traços que caracterizam cada um de seus segmentos. Por conta disso, neste trabalho, foi possível não apenas levantar alguns traços articulatórios que têm valor distintivo na fonologia da libras, mas também esboçar uma análise segmental para alguns de seus itens lexicais. Palavras-chave: libras, fonologia, segmento, língua de sinais. V Abstract This research aimed at doing a first description of the phonetic-phonological units of Brazilian Sign Language (libras). To do so, I assumed Liddell & Johnson (2000 [1989 )'s proposal, according to which signed languages' lexical items are structured by segments, in the same way as spoken languages' words. This model not only offers a segmental analysis for the signs, but also makes possible a detailed description of their articulatory features. For that reason, in this research, it was possible to identify some libras's features used to distinguish signs, as well as outline a segmental analysis to some of its lexical items. Agradecimentos Agradeço à Profª Evani Viotti pela competência, seriedade, responsabilidade, dedicação, e, sobretudo, pelo grande amor com que orientou esta pesquisa. Agradeço a ela também pela formação sólida que me proporcionou, pelos ensinamentos sobre como fazer pesquisa e pelas inúmeras discussões que fundamentaram este trabalho. Agradeço ao Prof. Leland McCleray por acompanhar este trabalho desde o ínicio, alertando-me para os problemas, apontando-me formas de solucioná-los e incentivando-me. Ao grupo de pesquisa "Estudos da Comunidade Surda: Língua, Cultura e História" (ECS) por me proporcionar momentos de riquíssimas discussões acadêmicas. Ao surdo Alexandre Melendes, meu primeiro professor de língua de sinais brasileira (libras), e à surda Sylvia Lia, minha eterna professora de libras, por me ensinarem a configurar, localizar, mover e orientar minhas mãos lingüisticamente. Ao amigo e colega de grupo de pesquisa Tarcísio Leite por me ajudar a ampliar meu contato com a comunidade surda, ao contribuir para a minha inclusão na organização da II CONDICISUR (Conferência dos Direitos e Cidadania dos Surdos do Estado de São Paulo). Graças à minha participação na organização desse evento, pude não apenas exercitar e desenvolver minha língua de sinais, mas também me sensibilizar para a luta da comunidade surda e me envolver nela. À amiga surda Regiane Agrella, uma das organizadoras da II CONDICISUR, por ter colaborado com este trabalho. Agradeço a ela também pela sua amizade e pela credibilidade que depositou em mim e nesta pesquisa. À amiga e também colega de grupo de pesquisa Renata Moreira, por todo o apoio e pelo incentivo em fazer trabalho voluntário no Instituto Santa Terezinha, uma das mais antigas escolas de surdos de São Paulo. Graças a isso, pude conviver com crianças surdas e viver algumas das muitas experiências proporcionadas por este trabalho que tiveram não só grande valor acadêmico, mas também pessoal. Ao Prof. Sherman Wilcox pelas conversas e pelas sugestões de leitura. Ao Prof. Fernando César Capovilla e ao Prof. Leo Wetzels, membros da banca de qualificação, pelas sugestões que, sem dúvida, contribuíram para uma melhora deste trabalho. VII Ao Prof. Marcos Lopes por me ajudar a construir o banco de dados com base no qual este trabalho foi desenvolvido, por me ensinar a operar com ele e por me orientar durante todo o tempo em que trabalhei com esse banco. À amiga e colega de grupo de pesquisa Andréa Iguma por fazer todas as fotos contidas neste trabalho. Ao amigo Maiko Palos por me ajudar, entre tantas outras coisas, a escanear as figuras do dicionário. À Escola do Futuro pelo apoio à pesquisa do grupo ECS. E ao CNPq por financiar este trabalho. Aproveito esta oportunidade para agradecer também a todos os professores do DL (Departamento de Lingüística) da FFLCH/USP pela formação que recebi em cursos de graduação e de pós-graduação. Em especial, agradeço à Profª Diana Luz Pessoa de Barros e à Profª Cristina Altman que, por terem sido minhas primeiras professoras de lingüística, foram, sem dúvida, as primeiras grandes responsáveis pelo meu interesse e pelo meu enorme amor por essa ciência. Agradeço também à Profª Esmeralda Negrão, minha primeira professora de língüística formal, que, com suas aulas cheias de vida e de grande entusiasmo, despertaram em mim questões lingüísticas e um grande desejo de me tornar um estudioso e um pesquisador das línguas humanas. À Profª Raquel Santana Santos, ao Prof. Paulo Chagas, ao Prof. Leo Wetzels e ao Prof. Leland McCleary pela formação sólida que me ofereceram em fonética e fonologia, áreas da língüística na qual desenvolvi meu trabalho. Agradeço também aos funcionário do DL, Érica, Bem Hur e Robson, pelo apoio de sempre e a todos os amigos e colegas com quem convivi durante a graduação e a pósgraduação, dos quais ainda não mencionei
doi:10.11606/d.8.2006.tde-18122007-135347 fatcat:323267gikndwhl7e7njtphwgue