Sintomas neuropsiquiátricos na doença de Alzheimer: frequência, correlação e ansiedade do cuidador

Mariana Gegenheimer Bremenkamp, Luara Ramos Rodrigues, Renata Reis Lage, Jerson Laks, Hebert Wilson Santos Cabral, Renato Lirio Morelato
2014 Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia  
INTRODUÇÃO: Sintomas neuropsiquiátricos ocorrem em 80-90% dos pacientes com demência, interferem significativamente na autonomia do paciente e ocasionam alta carga física, financeira e emocional ao núcleo familiar, resultando em institucionalização precoce. OBJETIVOS: Identificar sintomas neuropsiquiátricos mais frequentes e de maior gravidade nos pacientes portadores da doença de Alzheimer; especificar quais distúrbios são descritos como mais desgastantes pelo cuidador; e correlacionar os
more » ... rrelacionar os sintomas neuropsiquiátricos. MÉTODOS: Realizou-se estudo transversal, descritivo e exploratório, durante um ano, com idosos com provável doença de Alzheimer, atendidos no ambulatório de geriatria de uma instituição filantrópica de Vitória, que estavam acompanhados do principal cuidador. As duas subescalas brasileiras do Inventário Neuropsiquiátrico foram aplicadas ao acompanhante, e os sintomas foram correlacionados utilizando a correlação de Pearson e Spearman. RESULTADOS: Nos 50 pacientes analisados, o comportamento motor aberrante foi a manifestação mais frequente, enquanto a agitação apresentou maior gravidade entre os pacientes e foi relatada como o sintoma mais desgastante pelos cuidadores, que eram, predominantemente, filhas. Múltiplas correlações entre sintomas foram encontradas, sendo muito fortes: delírio e alucinação; delírio e ansiedade; delírio e disforia; agitação e irritabilidade. CONCLUSÃO: Os resultados reforçam a necessidade de estudos voltados para a abordagem das manifestações neuropsiquiátricas, dada sua alta prevalência e à presença de sintomas concomitantes que geram alto grau de desgaste no cuidador.
doi:10.1590/1809-9823.2014.13192 fatcat:u63tozr52vaq3kisctohy2ax7i