Adequação da metodologia do teste de tetrazólio para avaliação da qualidade fisiológica de sementes de melancia

Maria Carmen Bhering, Denise Cunha Fernadnes dos Santos Dias, Daniella Inácio Barros
2005 Revista Brasileira de Sementes  
O presente trabalho teve o objetivo de adequar a metodologia do teste de tetrazólio para a avaliação da qualidade fisiológica de sementes melancia. Na primeira etapa, buscando definir o procedimento mais adequado para a condução deste teste, foram avaliados os seguintes procedimentos para a remoção do tegumento da semente: umedecimento em papel toalha e imersão em água por 16 e 24 h a 25ºC; imersão em água, em câmara BOD a 40ºC, por 30, 40 e 60 minutos. Para a remoção da membrana remanescente
more » ... rana remanescente que envolve o embrião, foi feita a imersão em água, em câmara BOD a 40ºC, por 40 e 60 minutos. Em seguida, os embriões foram imersos em solução de tetrazólio 0,075% a 40ºC, no escuro, por 30, 40 e 60 minutos para coloração. Paralelamente, foram conduzidos testes de germinação e emergência de plântulas em solo, estabelecendo-se critérios para avaliação da viabilidade e do vigor. Na segunda etapa, a metodologia definida como a mais adequada para o teste de tetrazólio foi aplicada a oito lotes de sementes, comparando-se os resultados com os obtidos nos testes de germinação, primeira contagem de germinação, envelhecimento acelerado e emergência das plântulas em solo. Os resultados indicaram que o teste de tetrazólio é eficiente para avaliar a viabilidade e o vigor das sementes de melancia. É possível estabelecer cinco classes de viabilidade, sendo vigorosas as sementes das classes 1 e 2 , viáveis as das classes 1 a 3 e não viáveis e mortas as das classes 4 e 5, respectivamente. Para a condução do teste, as sementes devem ser imersas em água a 40ºC por 40 minutos para retirar o tegumento e por mais 60 minutos para a remoção da membrana interna remanescente; em seguida, devem ser imersas em solução de tetrazólio 0,075%, a 40ºC, por 60 minutos para o desenvolvimento de coloração adequada.
doi:10.1590/s0101-31222005000100022 fatcat:nlxg2pmnmfgv5pvxv7xxd7vsci