Infecção pelo Parvovírus Canino no Rio de Janeiro: um estudo de cinco anos

Rita de Cássia N. Cubel Garcia, José Paulo G. Leite, Maria da Penha T. P. Xavier, Liliane Maria V. Willi, Mauro Coelho Lemos, Tatiana Xavier de Castro, Regina Mertens, Nonna Vollmer Labarthe
2002 Revista Brasileira de Ciência Veterinária  
Resumo Amostras fecais de cães com até seis meses de idade, com gastrenterite, foram testadas para a presença do parvovírus canino (CPV) pelo teste de hemaglutinação (HA) e confirmadas como positivas pelo teste de inibição da hemaglutinação. Noventa e duas das 208 amostras recebidas no período de abril de 1995 a novembro de 2000 foram positivas. Aproximadamente, 76% das amostras foram obtidas de cães entre dois e quatro meses de idade. Entre os 92 animais positivos para CPV-2, 28 tinham sido
more » ... , 28 tinham sido vacinados, e para 11 destes o resultado positivo do HA poderia ser devido a detecção do vírus vacina!. Através da reação em cadeia pela polimerase, pode-se confirmar a infecção pelo vírus selvagem em nove dos 11 animais vacinados. Neste estudo não foi possível observar que fatores como sexo ou raça possam ser importantes no desenvolvimento da doença, No período estudado, o parvovírus canino pode ser detectado, em todos os meses do ano, não apresentando sazonalidade definida. Palavras-chave: Parvovírus canino; gastrenterite; Rio de Janeiro. Abstract Fecal samples from puppies less than 7 mo11ths old with gastroenteritis were examined for canine parvovirus infection (CPV-2) by hemagglutination test (HA) and confirmed as positive by hemagglutination-inhi bition test. Ninety-two from 208 samples collected between April 1995 to November 2000 were found to be positive. About 76% were from 2 to 4 months old puppies. From 92 CPV-2 positive puppies, 28 had been vaccinated and in 11 the HA result could be due to the detection of vaccine vírus. Using the polymerase chain reaction, it was possible to confirm the infection by wild virus in 9 vaccinated puppies. By our results risk factors like sex or breed does not seem to interfer on the development of parvovirus enteritis. No seasonal distribution of canine parvovirus was found, and CPV-2 could be detected throughout the year for a five-year period.
doi:10.4322/rbcv.2015.348 fatcat:ncmqprid2fhujb7prejszbe7ee