O QUE CONSERVAR PARA NÃO SERMOS CONSERVADORES? REVISITANDO HANNAH ARENDT

Flávio Rovani de Andrade
2015 Revista Lumen - ISSN 2447-8717  
O presente artigo pretende, à luz de Hannah Arendt, discutir alguns pontos atinentes ao pensamento conservador, sobretudo no que se refere ao atual momento político e social brasileiro, que, nos últimos anos, vem presenciando o acirramento das disputas político-ideológicas e, por conseguinte, o crescimento de grupos declaradamente conservadores.
doi:10.32459/revistalumen.v1i1.26 fatcat:ktrzyicycjc6dhewukfqhdbvaa