Um mundo sem pobreza: a empresa social e o futuro do capitalismo

Cassiano Ricardo Martines Bovo
2009 Revista de Economia Contemporânea  
Muhammad Yunus se tornou famoso por ter criado o maior banco de microcrédito do mundo, o Grameen Bank, e por ter escrito o best-seller O banqueiro dos pobres. Desde o surgimento do banco em questão, o autor criou várias outras empresas, e essa empreitada redundou no recebimento do Prêmio Nobel da Paz, juntamente com o Grameen Bank. Em Um mundo sem pobreza, Yunus volta a tratar do Grameen Bank, mas adiciona vários outros ingredientes que dão uma nova visão para a luta contra a pobreza. O livro
more » ... pobreza. O livro está dividido em três partes e é constituído por 11 capítulos, além de um posfácio, que é a reprodução do seu discurso na cerimônia de entrega do Prêmio Nobel. Na primeira parte, denominada "A promessa da empresa social", há exposta a sua ideia principal que vai permear todo o texto: trata-se da empresa social, vista como solução para superar a pobreza no mundo. Esta é voltada para a solução de problemas sociais e ambientais e opera como qualquer outro empreendimento convencional, envolvendo a necessidade de ser competitivo e estruturado da maneira mais efi ciente possível. No entanto, esse tem uma diferença: não distribui dividendos aos acionistas. A ideia é que a empresa pague aqueles que a fi nanciaram, mas o lucro, ao invés de ser distribuído, fi ca retido para investimento na própria companhia. Isso fi ca evidente na seguinte passagem: * Mestre em Economia pela PUC-SP, doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP,
doi:10.1590/s1415-98482009000100007 fatcat:37bwtwmr6zdndagzbispkfaz2q