Ambiente de aprendizagem híbrido no Ensino de Química: uma perspectiva de inovação pedagógica na era da aprendizagem móvel [thesis]

Eliete Braga Silva
Não percas a tua fé entre as sombras do mundo. Ainda que os teus pés estejam sangrando, segue para a frente, erguendo-a por luz celeste, acima de ti mesmo. Crê e batalha. Esforça-te no bem e espera com paciência. Tudo passa e tudo se renova na Terra, mas o que vem do céu permanecerá. De todos os infelizes, os mais desditosos são os que perderam a confiança em Deus e em si mesmos, porque o maior infortúnio é sofrer a privação da fé e prosseguir vivendo. Eleva, pois, o teu olhar e caminha. Luta e
more » ... r e caminha. Luta e serve. Aprende e adianta-te. Brilha a alvorada além da noite. Hoje é possível que a tempestade te amarfanhe o coração e te atormente o ideal, aguilhoando-te com aflição ou ameaçando-te com a morte. . . Não te esqueças, porém, de que amanhã será outro dia. Psicografia de Francisco Cândido Xavier AGRADECIMENTOS A caminhada foi mais difícil do que eu imaginava ao decidir buscar um novo desafio com o mestrado. Entretanto, essa trajetória somente foi concluída porque eu não estava sozinha. E a todos que me acompanharam, expresso toda gratidão que há em mim. A Deus, que é o dono da minha vida. O Senhor Deus é o meu sustento, minha força, minha alegria e quem me capacita a alcançar lugares mais altos do que imagino. Todas as palavras de louvor e gratidão não são suficientes para expressar o que sinto quando penso em tudo o que o Senhor representa para mim. Ao meu orientador, Dr. Arlindo José de Souza Júnior. Agradeço porque me orientou não somente a desenvolver um trabalho ou escrever uma dissertação; sua orientação me motivou a continuar e me mostrou que sou capaz. Aos meus pais, "Seu Duardo" e Dona Maria (in memorian), pessoas simples com as quais aprendi que a simplicidade é a qualidade de pessoas extraordinárias. As lágrimas expressam a saudade, o carinho e a gratidão. Aos meus filhos, Sarah e Fernando, agradeço pelos debates sobre a importância e as contribuições dos Smartphones na sala de aula. "Nunca se esqueçam, nem um segundo, que tenho o amor maior do mundo, por vocês". Ao Geovani, meu marido, por todas às vezes que dizia "você não fez UFU" me fortalecia para seguir em frente. Sei o quanto almeja meu crescimento. Aos professores membros da banca Dra. Mirna Tonus, Dra. Viviani Alves de Lima, Dr. Marciel Aparecido Consani e Dr. Fernando da Costa Barbosa que mesmo antes da qualificação me orientavam com exímias colocações. Aos professores do PPGECM , por compartilharem conhecimento comigo. Vocês me inspiram para seguir meu caminho. A professora Dra. Débora Coimbra e Dra. Odalea Viana meu eterno carinho. A todos os meus doze irmãos, obrigada pelo aconchego e carinho. Sem vocês eu não sou nada. Sinto-me agradecida, em especial, a Ivete, Kika, Daniela, Detinha e ao Jair Coelho, por sempre me estenderem a mão, mantendo-se presentes em todos os momentos de minha jornada. Aos meus amigos e colegas, Viviani, Henrique, Cairo, Fátima Dezopa, Cléber Oliveira, Olma e Ana Flávia, por alegrarem a minha vida. Agradeço porque, em muitos momentos, acreditavam mais em mim do que eu mesma. Vocês são demais! Aos meus alunos da Escola Estadual Messias Pedreiro o meu reconhecimento pelo apoio à pesquisa. A todos que estão lendo e não citei o nome, muito obrigada! "O início a incerteza. Distante, ora presente. Próximo, porém ausente. Troca de mensagens, um consolo. Uma fala, a insegurança. Uma dúvida, o auxílio carinhoso. A saudade de um abraço, uma lágrima. Um almoço mal preparado, a incompreensão. O passeio do domingo, um descanso. No fim, renovam-se as incertezas e a vida segue. . . , juntos eu e você". O cenário atual das salas de aula, mediante o avanço dos dispositivos móveis, e a crescente expansão das opções de conectividade, defronta-se com os estudantes transitando pelas redes sociais ou buscando informações com "o Senhor Google". Isso implica uma análise e avaliação no processo de ensino de forma a adequá-lo ao atual momento. Além disso, faz-se necessário refletir e avaliar as potencialidades das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) no processo educacional. Persiste na Educação, uma concepção errônea em relação a esses dispositivos, especialmente na rede pública. Em muitas instituições, seu uso ainda é proibido. Entretanto, as escolas não se encontram desprovidas de equipamentos tecnológicos, é comum encontrar alguns nos denominados "Laboratórios de Informática". Porém, esses dispõem-se geralmente ultrapassados e não são suficientes para atender ao número de estudantes por turma. Além da deficiência dos computadores, as copiadoras para atividades xerocopiadas são de um custo elevado, e as escolas não recebem verbas para manutenção, limitando a utilização de materiais complementares. Isso torna o livro didático a única fonte para aplicação de exercícios, dificultando o reconhecimento de habilidades e competências do aluno dentro e fora do ambiente escolar. Contudo, as escolas não podem se isolar, é preciso superar essas condições de atraso, e aproximar-se do que as novas gerações estão vivendo. Enquanto espaço de troca e interação do processo educativo, torna-se viável agregar valores ao uso dos dispositivos móveis de forma produtiva, visando auxiliar o processo de ensino. Além disso, é fundamental integrar as TDIC em situações e vivências para além dos muros da escola. É preciso despertar o interesse dos estudantes a ter prazer em conhecer, a aprender a pensar e a elaborar as informações para que possam ser aplicadas à realidade que estão vivendo. Mediante essa postura, a escola se aproxima dos estudantes, satisfazendo a necessidade de conexão frequente que possuem, de estarem conectados ao dispositivo com tamanha frequência. Nesse contexto, surge o problema norteador desta pesquisa: Como constituir um ambiente de aprendizagem híbrido utilizando os smartphones no processo de ensinar e aprender Química, em uma escola da rede pública de ensino? A partir desse problema, procurou-se avaliar se as TDIC modifica a relação que se estabelece dentro e fora da sala de aula, entre professores e estudantes. E se pode atuar como suporte para que os estudantes se tornem protagonistas, atuando com mais autonomia em sua aprendizagem. Foram sujeitos participantes da pesquisa 240 estudantes do Ensino Médio da rede pública. Questionários, atividades customizadas, debates, entrevistas foram instrumentos de produção de dados, analisados qualitativamente. Os resultados apontaram que os participantes têm amplo acesso aos smartphones e à rede internet, mas seu uso era basicamente restrito a redes sociais. Inicialmente, o uso do ambiente virtual provocou nos participantes um pouco de angústia por perceberem certa fragilidade no domínio das configurações de seu dispositivo. Entretanto, foram se adaptando e concluindo ser preciso estarem abertos aos novos paradigmas que se comunicam a partir de um universo cada vez mais amplo e tecnológico. Sendo assim, foi possível integrar o Google Classroom como um ambiente on-line, organizado para uma aprendizagem híbrida, disponível para qualquer dispositivo tecnológico, em especial os smartphones, viabilizando as atividades dentro e fora da sala de aula.
doi:10.14393/ufu.di.2018.592 fatcat:z6yhp3lux5fyrd2io2zjulihj4