O conhecimento poderoso e a formação de licenciandos: um estudo de caso

Soc, Campinas
unpublished
Palavras-Chave: conhecimento poderoso, formação de licenciandos. Introdução Em "Para que servem as escolas" Young 1 introduz o conceito de "conhecimento poderoso" chamando a atenção de que a sociologia de educação ressente-se de discussões mais aprofundadas sobre a questão do conhecimento em si, e, por conseguinte, das implicações decorrentes sobre o conhecimento escolar, o currículo e o conteúdo das disciplinas escolares. O presente trabalho visa refletir sobre o conceito de "conhecimento
more » ... "conhecimento poderoso", seja no sentido de contribuir para essa discussão, seja na tentativa de preencher as pseudo-lacunas da leitura por não especialistas. Para isso, tentamos explicitar as posições de Young sobre o conhecimento aca-dêmico como valioso em ações emancipatórias, e introduzimos as explicações de fenômenos do entorno do sujeito, como forma de fornecer os elementos de identidade facilitadora da aprendi-zagem segundo Bernstein 1. A partir de tais com-siderações investigamos, em um estudo de caso, o atual estágio de formação do licenciando em uma universidade publica do Rio de Janeiro e sua capacidade em desenvolver o "conhecimento pode-roso" em suas futuras práticas profissionais. O estudo foi efetivado através da elaboração e aplicação durante o segundo semestre letivo de 2010 e o primeiro de 2011, de um questionário com quinze questões de múltipla escolha subdivididas em: seis que versavam sobre conceitos da "química acadêmica", e nove sobre fenômenos do entorno, onde se arguia sobre a aplicação dos seis primeiros nos segundos. Havia cinco opções para resposta em cada questão, dentre as quais eram fornecidas a opção "Não Sei" (para evitar respostas aleatórias) e "NRA"-nenhuma das respostas anteriores. Resultados e Discussão Foram respondidos e analisados 250 questionários (em um total de 418 alunos regularmente matriculados). Para cada período letivo contou-se o número de acertos e de erros e calculou-se o índice de acerto (iA-número de acertos/total de questões) e o valor médio de acerto (VmiA : iA/número de questionários respondidos). A mesma metodologia foi aplicada para os cálculos dos valores médios de erros totais(VmiET), que incluem também a resposta "não sei". Os resultados encontrados são mostrados nos gráficos a seguir: Figura 1: Relação de VmiA e VmiET por período letivo nas questões sobre fenômenos do em torno. Figura 2: Relação de VmiA e VmiET por período letivo nas questões de química acadêmica Conclusões O que se infere das colocações de Young, é que para o desenvolvimento do "conhecimento pode-roso" o domínio dos conhecimentos acadêmicos é uma condição necessária. Todavia, nossos re-sultados apontam que tal não é suficiente. Ele exige para uma ação emancipatória a possibilidade de identificação entre o problema emancipatório posto e os conhecimentos necessários para uma reflexão crítica. Discussão esta não presente no trabalho de Young. A análise das figuras acima mostra que os licenciandos investigados apresentam dificuldades nessas identificações, mesmo em casos simples introduzidos como facilitadores de aprendizagem. ___________________ 1. Young, M. Para que servem as escolas? Educ.
fatcat:4jencttzp5bf5est4ex5x2ywiq