Hematologia e bioquímica sérica em muares [thesis]

Dácio de Castro Dias
DEDICATÓRIA Dedico este trabalho a todos os Muares: -Àqueles que, sobre os seus lombos fizeram história na História do Brasil, sintetizada essa homenagem no belo poema escrito por Raimundo Asfora e Rosil Cavalcanti que trata da fundação da cidade de Campina Grande: Tropeiros da Borborema Estala relho marvado Recordar hoje é meu tema Quero é rever os antigos tropeiros da Borborema São tropas de burros que vêm do sertão Trazendo seus fardos de pele e algodão O passo moroso só a fome galopa Pois
more » ... fome galopa Pois tudo atropela os passos da tropa O duro chicote cortando seus lombos Os cascos feridos nas pedras aos tombos A sede e a poeira o sol que desaba Oh longo caminho que nunca se acaba Estala relho marvado Recordar hoje é meu tema Quero é rever os antigos tropeiros da Borborema Assim caminhavam as tropas cansadas E os bravos tropeiros buscando pousada Nos ranchos e aguadas dos tempos de outrora Saindo mais cedo que a barra da aurora Riqueza da terra que tanto se expande E se hoje se chama de Campina Grande Foi grande por eles que foram os primeiros Ó tropas de burros, ó velhos tropeiros... AGRADECIMENTOS Agradeço, primeiramente, ALLAH por me criar com a 'falha persa', pois a perfeição só a ELE pertence. Agradeço à minha família: aos que se foram (meu pai Cícero, meus avós Alfredo, Rita, Raimundo, Maria de Lourdes e meu amigo Eduardo Eziliano). Aos que estão (minha mãe Darcy, meu irmão Gildázio e meu filho Diego) e a que há de vir (minha neta Laura), por serem a inspiração e o meu porto seguro nos caminhos que trilho até hoje. Ao meu grande mestre Roberto Pimenta de Pádua Foz Filho, por me ensinar os primeiros passos com os equinos. O responsável pelo que eu sei e pelo que eu sou. A minha orientadora Drª Carla Bargi Belii por me aceitar e acreditar no meu sonho. Aos grandes amigos da "família Belli de pós-graduandos", da qual tenho profundo carinho, amizade, gratidão, admiração. Jamais me esquecerei de toda parceria e bons momentos que me proporcionaram: Priscila Mattar, Talissa Martins, Dayane Amorim e Daniela Pereira Lima. Agradeço também a todos os meus anjos da guarda, meus estagiários, monstros da minha própria criação sem a citação de nomes para não cair no erro do esquecimento. Só lembro que já são perto de mil. Agradeço aos amigos do Laboratório Hípico de São Paulo, na pessoa da Drª Alma Hoge, local aonde me foi possível dar os primeiros passos na arte de desvendar os segredos de um esfregaço sanguíneo. Aos funcionários do Laboratório: Clara, Samantha, Maria Helena, Maú, Dinha e todas as outras que transformaram aquele cantinho no local mais agradável dos meus dias de pós. Aos amigos veterinários, romeiros e tropeiros que disponibilizaram seus animais: de responsabilidade clínica, propriedade ou de pensionistas para que fosse possível reunir um numero tão grande em tão pouco tempo.
doi:10.11606/d.10.2014.tde-28072014-153256 fatcat:mallngxic5fvzoh23kkzuncoia