Validação do escore VI-RADS para estadiamento das neoplasias vesicais [thesis]

Thaisa Gvozdenovic Medina Bricio
A minha mãe e a Deus, pela minha vida. A minha mãe e minha irmã, pelo apoio e amor incondicionais que recebo absolutamente todos os dias. Ao meu pai, pelo apoio para que eu chegasse até aqui. Ao meu orientador, Prof. Valdair Muglia, por toda paciência e dedicação neste trabalho e na minha formação, por quem eu terei eterna gratidão e admiração. Ao Prof. Jorge Elias, um exemplo de profissional e ser humano a ser seguido. A minha querida amiga e companheira de estudos, Nayara, por me acompanhar
more » ... por me acompanhar nos dias difíceis e batalhar comigo para que obtivéssemos esse título. Aos queridos Gabriel e Rafael, que sem ganho secundário se dedicaram a fazer esse projeto sair do papel. Por fim, a todos que me apoiam todos os dias nos caminhos da vida, direta ou indiretamente vocês fizeram parte deste trabalho. RESUMO Bricio TGM. Validação do escore VI-RADS para estadiamento das neoplasias vesicais. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, 2019. Objetivo: Proceder a uma validação externa da normativa VI-RADS, analisando a acurácia diagnóstica, comparando os escores das imagens em T2, difusão, contraste dinâmico (DCE) e VI-RADS final, além de verificar a concordância interobservador entre radiologistas de diversos níveis de experiência. Materiais e métodos: Foram avaliados estudos de ressonância magnética de pacientes com a suspeita clínica de neoplasia vesical entre junho de 2017 e janeiro de 2020 anteriormente a ressecção transuretral (RTU) retrospectivamente em um único centro. Todas as RM foram analisadas por três radiologistas com níveis de experiência diferentes, que atribuíram um escore VI-RADS para cada lesão em cada sequencia de RM. Foram calculados então a partir dessas análises sensibilidade, especificidade, valor preditivo positivo (VPP), valor preditivo negativo (VPN), acurácia diagnóstica e concordância interobservador. Resultados: Analisando o escore VI-RADS final atribuído por cada observador, a sensibilidade, foi de 94,1%, com intervalo de confiança de 95%, variando de 71,3 a 99,8% para o observador 1, 76,5% (50,1-93,2%) para o observador 2 e 94,1% (71,3-99,8%) para o observador 3, com uma especificidade, respectivamente, de 54,5% (32,2-75,6), 81,8% (59,7-94,8%) e 77,3% (54,6-92,1%). O VPP foi de 61,5% (49,9 -72,0%) para o observador 1, 76,5% (56,3-89,1%) para as análises do observador 2 e 76,2% (59,5-87,5%) para o observador 3, com um VPN de 92,3% (63,3-98,8%) para o observador 1, 81,8% (65,1 -91,6%) para o observador 2 e 94,4% (71,5-99,1%) para o observador 3. A acurácia obtida foi de 71,8% (55,1-81,0%) para o observador 1, 79,5% (63,5-90,7%) para o observador 2 e 84,6% (69,5-94,1%) para o observador 3. Conclusão: A normativa VI-RADS demonstrou boa acurácia para avaliação da invasão da camada muscular vesical nos tumores de bexiga, concordante com a literatura disponível. O nível de reprodutibilidade foi bom, apesar de discretamente inferior aos mencionados na literatura. Palavras chave: VI-RADS. Neoplasia vesical. Camada Muscular. Ressonância Magnética. ABSTRACT Bricio.TMG. Validations of the VI-RADS scoring system for vesical neoplasm. Objectives: The main purpose of this study was to validate the VI-RADS scoring system for vesical neoplasms, using accuracy as a marker by comparing the categories given by each radiologist for each MRI sequencies (T2, DWI, DCE and final VI-RADS escore) with the pathological findings. Besides the main goal, we assessed the interobserver agreement in different levels of experience. Materials and Methods: This was a retrospective study, in a single center where the MRI studies between june 2017 and february 2020 of patients with the clinical suspition of vesical neoplasm were analysed before they undergo any kind of intervention. Each MRI study was analysed by three different radiologists with different levels of experience, who categorized the lesions as set in the VI-RADS coring system in each MRI sequence. After that sensitivity, specificity, positive predictive value, negative predictive value, accuracy and interobserver agreement were then calculated. Results: By analysing the scores given by each radiologist for each vesical tumor we obtained sensitivy of 94,1%, with confidence interval of 95%, varying from 71,3 to 99,8% for observer 1, 76,5% (50,1-93,2%) for observer 2 and 94,1% (71,3-99,8%) for oberverser 3. The specificity was, respectively, 54,5% (32,2-75,6), 81,8% (59,7-94,8%) and 77,3% (54,6-92,1%). THE PPV was 61,5% (49,9 -72,0%) for observer 1, 76,5% (56,3-89,1%) for observer 2 and 76,2% (59,5-87,5%) for observer 3, with a NPV 92,3% (63,3-98,8%) for observer 1, 81,8% (65,1 -91,6%) for observer 2 and 94,4% (71,5-99,1%) for observer 3. Accuracy was 71,8% (55,1-81,0%) for observer 1, 79,5% (63,5-90,7%) for observer 2 and 84,6% (69,5-94,1%) for observer 3. Conclusion: The scoring system VI-RADS is accurate in demonstrating muscle invasive bladder neoplasm, in agreement with the recent literature. The level of reproducibility as good, but slightly inferior than mencioned in literature. keyword: VI-RADS. vesical neoplasm.muscle layer. MRI.
doi:10.11606/d.17.2020.tde-23082020-151418 fatcat:ph3hgxwu7nemzbopekkhyweagm