Como criar um novo fármaco

Ana Oliveira Oliveira, DQB/ Faculdade de Ciências/ Universidade do Porto
2020 Revista de Ciência Elementar  
Aproveitando o esforço mundial para a criação de fármacos para a COVID-19, explica-se a estratégia seguida para a criação de um novo fármaco. A fase inicial do desenvolvimento assenta sobretudo na especificidade das propriedades e das interações químicas entre o fármaco e o seu alvo terapêutico. Depois, o fármaco é sujeito a uma fase de validação e várias fases de testes clínicos que começam em modelos animais, até à administração do fármaco no doente, atingindo assim a forma de medicamento.
more » ... de medicamento. Como atua um fármaco? Os fármacos são compostos químicos, que podem ser sintetizados em laboratório ou extraídos de produtos naturais, e que foram especificamente desenvolvidos para prevenir, diagnosticar ou curar doenças. O fármaco é o composto ativo de um medicamento. O processo de descoberta de um fármaco é bastante complexo, ele envolve três grandes áreas: da biologia a proteómica, da química os químicos computacionais e químicos de síntese, e da farmacologia as técnicas bioquímicas para a sua avaliação laboratorial. Existem três classes de alvos farmacológicos: DNA, RNA e proteínas, sendo que as proteínas são o alvo mais comum. As proteínas são designadas de recetores se recebem e traduzem os sinais celulares, ou enzimas se forem catalisadores biológicos. Em farmacologia os fármacos são classificados de agonistas se eles estimulam a resposta de um recetor. Em contraste, um fármaco é designado de antagonista se ele bloqueia a ação do recetor. Além dos recetores, as enzimas são grandes alvos terapêuticos porque elas executam os principais processos bioquímicos dos organismos vivos. As enzimas têm uma cavidade específica -centro ativo -onde se une o seu substrato. Esse encaixe do substrato deve-se às interações químicas entre o substrato e as cadeias laterais dos aminoácidos que compõem o centro ativo. Quando o alvo terapêutico é uma enzima e a sua função fica impedida pela união de um fármaco, este é chamado de inibidor. Em geral, o inibidor compete com o substrato natural para ocupar o sítio ativo da enzima. A grande maioria dos fármacos que existem disponíveis no mercado têm como alvo terapêutico recetores membranares (27%) e enzimas (~30%), nomeadamente cinases (10%) e proteases (8%) 1 (FIGURA 1). CITAÇÃO Oliveira, A.(2020) Como criar um novo fármaco, Rev. Ciência Elem., V8(02):020.
doi:10.24927/rce2020.020 fatcat:shpcsvafm5d37pw3k4udv3ljia