Eletrificação Ferroviária: debates da engenharia nacional acerca da modernização ferroviária (1922 - 1951) [thesis]

Sérgio Felix Pires
e o professor Halferd Ribeiro Jr. Outro professor dessa instituição, que posteriormente se tornou um querido amigo pessoal, o professor Marcelo Squinca, foi fundamental em minha trajetória por ter me apresentado ao mundo da História da Energia e também pelos conselhos e orientações durante o processo seletivo para o Mestrado e a elaboração do projeto de pesquisa. A ele, um agradecimento mais do que especial. Já no Mestrado, agradeço ao professor Luiz Eduardo Simões pelas discussões e aulas que
more » ... ussões e aulas que me possibilitaram me apropriar melhor do difícil e impressionante mundo da História Econômica. À professora Maria Amélia Mascarenhas por ter me introduzido nas discussões e polêmicas em torno da História da Ciência. Aos professores Dario Horácio Gutierrez, Eduardo Romero, Francisco Queiroz e à professora Nilda Nazaré, meus agradecimentos pela avaliação deste trabalho nas bancas de qualificação e de titulação, bem como agradeço as posteriores contribuições e comentários à Dissertação; destaco que a professora Nilda, além de atenta e rigorosa avaliadora deste texto, é uma querida companheira do GEPTEC com quem tive o prazer de conviver. Não teria sido possível concluir essa pesquisa não fosse o companheirismo de muitos dos meus amigos, amigas e colegas, que sempre me apoiaram e incentivaram ou que ouviram meus desabafos e festejaram comigo as pequenas vitórias. Agradeço a todos e todas, mas destaco em especial aqueles que tiveram um papel marcante nesse processo, seja me ajudando diretamente nos momentos de necessidade ou contribuindo para a minha adaptação na Universidade, ou mesmo cooperando comigo na difícil tarefa de conciliar a pesquisa com o trabalho; pessoas como o Alexandre Ricardi, a Ana Carolina, Eliana Zequim, Mônica Campos, Cristiano Pereira, Carlos Gasparini, Eustáquio Ornelas, Jéssica Silveira e Danielle Amaro. Agradeço ainda a Helena Feitoza por ter me incentivado e me apoiado desde o início nessa trajetória. Sou grato ainda pela ajuda na revisão do texto que a colega professora Edna Rocha de Barros me deu nos momentos finais da escrita e as aulas particulares de língua estrangeira que minha competente amiga e professora Cristiane Selichevic sempre me oportunizou. Por fim, um agradecimento mais do que especial para minha família, que eu amo muito e que sempre acreditou em mim, me apoiou e fez de tudo para que eu superasse os desafios do Mestrado. Minhas irmãs Lediane e Caroline, meu irmãozinho Samuel, pessoas com quem o convívio sempre foi carinhoso e respeitoso, que sempre torceram por mim. Meus pais, Raimundo e Antônia, que eu muito admiro e amo, tenho orgulho de ser filho de um casal trabalhador e honesto, que sobreviveu às batalhas da vida sem nunca perder o carinho e o respeito com o que me criaram, a eles eu devo tudo. RESUMO PIRES, Sérgio Felix. ELETRIFICAÇÃO FERROVIÁRIA: Debates da engenharia nacional acerca da modernização ferroviária (1922-1951). 2018. 183 f. Dissertação (Mestrado) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Entender uma faceta do desenvolvimento do setor ferroviário, essa é a proposta geral desse trabalho. A tese que guiou essa pesquisa, é que a eletrificação ferroviária era encarada por parte da engenharia ferroviária nacional como uma modernização do setor ferroviário, fundamental para garantir a sua viabilidade. A hipótese central é que essas propostas eram parte de uma ideologia sobre o que seria moderno e progressista e que estaria relacionada tanto com o contexto econômico da crise ferroviária, quanto com a posição histórica do capitalismo brasileiro, de via colonial. Para cumprir com esses objetivos, focou-se a análise nas publicações técnicas de engenheiros que tratavam da adoção da tração elétrica nas ferrovias. Os marcos históricos da pesquisa começam no ano de 1922, com a inauguração da eletrificação do primeiro trecho da CPEF, estende-se até a década de 1950, quando o modal rodoviário se torna hegemônico. Em síntese: (i) analisou-se o papel central ocupado pelas ferrovias no complexo agroexportador brasileiro, (ii) a crise ferroviária causada pelas contradições do próprio complexo agroexportador e, por fim, (iii) as propostas de eletrificação como uma modernização capaz de sanar essa crise, além de ser um fator de desenvolvimento econômico nacional. Palavras-chave: Eletrificação; Ferrovia; Desenvolvimento; Engenharia; Modernização. ABSTRACT PIRES, Sérgio Felix. RAILWAY ELECTRIFICATION: Debates of brazilian engineering about railway modernization (1922-1951). 2018. 183 f. Dissertação (Mestrado) -Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018. Understanding a facet of the development of the rail sector, this is the general proposal of this work. The thesis that guided this research is that railway electrification was viewed by national railway engineering as a modernization of the railway sector, fundamental to ensuring its viability. The central hypothesis is that these proposals were part of an ideology about what would be modern and progressive and which would be related both to the economic context of the railway crisis and to the historical position of Brazilian capitalism. To meet these objectives, the focus was on the technical publications of engineers dealing with the adoption of electric traction on railroads. The historical milestones of the research began in the year 1922, with the inauguration of the electrification of the first stretch of the CPEF, extending until the 1950s, when the road modal became hegemonic. In summary: (i) the central role of railroads in the Brazilian agro-export complex was analyzed; (ii) the rail crisis caused by the contradictions of the agro-export complex itself; and (iii) the electrification proposals as a modernization capable of remedy this crisis, besides being a factor of national economic development.
doi:10.11606/d.8.2019.tde-15032019-135048 fatcat:3fpfnakrpfbypmrthn5skuly5a