MANEJO DA COBERTURA DE AZEVÉM EM PLANTIO DIRETO NA CULTURA DO MILHO E SUA FITOSSOCIOLOGIA / MANAGEMENT OF RYEGRASS COVER IN DIRECT PLANTING IN CORN CROP AND ITS PHYTOSOCIOLOGY

Evandro Franz, Siumar Pedro Tironi, Gean Lopes da Luz, Luiz Antonio Cezarotto, Douglas Vinicius Zago, Debora Munaretto, Cristiano Reshcke Lajús, Rodrigo Barichello
2020 Brazilian Journal of Development  
Evandro Franz Engenheiro agrônomo pós-graduado em gestão em vendas Mestrando do Programa de Pós-graduação em tecnologia e gestão da inovação -Unochapecó. RESUMO Na região Sul do Brasil é comum o cultivo de azevém (Lolium multiflorum) como pastagem e cobertura de inverno, muitas vezes em área de cultivo de milho em sucessão. Com isso, objetivouse, avaliar efeitos de diferentes manejos de controle de azevém sobre o desenvolvimento inicial e a produtividade da cultura do milho, assim como a
more » ... assim como a composição florística de plantas daninhas. Foi conduzido um ensaio, a campo, em blocos casualizados, com quatro repetições. Foram avaliados o controle químico (dessecação) aos 30, 20, 10, 0 dia(s) anterior(es) a semeadura (DAS), roçada com palhada, roçada sem palhada e testemunha sem controle da cobertura de azevém. As variáveis analisadas foram: número de plantas emergidas aos 10 e 20 dias após a emergência (DAE); altura de plantas após 10, 20, 30 e 40 DAE; diâmetro de colmo após 20, 30 e 40 DAE; e produtividade de grãos; quantificação e identificação das plantas daninhas em 0,25 m2. A semeadura do milho sobre a palhada de azevém não manejado compromete o desenvolvimento inicial e a produtividade do milho. O manejo químico que se obteve melhor resultado foi realizado 10 DAS do milho, onde ocorreu menor densidade de plantas daninhas e a roçada pode ser uma forma de manejo alternativo, no entanto, é interessante deixar a palhada sobre o solo. Palavras-chave: Zea mays, Lolium multiflorum, época de dessecação. Plantas daninhas. ABSTRACT In the South region of Brazil it is common to cultivate ryegrass (Lolium multiflorum) as a pasture and winter cover, often in a corn field in succession. With this, the objective was to evaluate the effects of different ryegrass control managements on the initial development and productivity of corn culture, as well as the floristic composition of weeds. A trial was conducted, in the field, in randomized blocks, with four repetitions. The chemical control (drying) was evaluated at 30, 20, 10, 0 day(s) prior to sowing (DAS), rubbed with straw, rubbed without straw and witness without control of the ryegrass cover. The variables analyzed were: number of plants emerged at 10 and 20 days after emergence (DAE); height of plants after 10, 20, 30 and 40 DAE; thatched diameter after 20, 30 and 40 DAE; and grain productivity; quantification and identification of weeds in 0.25 m2. The sowing of corn on unmanaged ryegrass straw compromises the initial development and productivity of corn. The chemical management that obtained the best result was performed 10 DAS of the corn, where there was a lower density of weeds and the rubbing can be an alternative form of management, however, it is interesting to leave the straw on the soil. No sul do Brasil é comum o cultivo de cereais como o milho (Zea mays), em sucessão a pastagens anuais de inverno, em sistema de integração lavoura e pecuária e coberturas vegetais. Sendo o azevém (Lolium multiflorium) uma das espécies mais cultivadas, que apresenta grande
doi:10.34117/bjdv6n10-621 fatcat:zwk3dxa7d5hz3gmygwgaiv36fa