Desempenho energético de fachadas envidraçadas em climas brasileiros

Cínthia Andreis, Priscila Besen, Fernando S. Westphal
2014 XV Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído   unpublished
RESUMO Edificações com grandes áreas envidraçadas nas fachadas vêm se consolidando como um estilo internacional de arquitetura de escritórios, mesmo que sua eficiência energética seja amplamente questionada em condições bioclimáticas brasileiras. Baseado nesse questionamento, o presente estudo tem como objetivo a determinação e análise dos impactos gerados por diferentes configurações de fachadas no consumo energético de edifícios de escritórios em condições bioclimáticas brasileiras.
more » ... sileiras. Utilizou-se o software de simulação EnergyPlus para modelar diferentes condições de fachada para um edifício de escritórios. Os parâmetros analisados são: percentual de abertura na fachada (WWR), tipos de vidro, configurações de fachada (exposta ou completamente revestida) e uso de isolante térmico. São analisadas sete cidades brasileiras: Curitiba, Recife, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Salvador e Rio de Janeiro. Os resultados obtidos mostram que o desempenho energético de edifícios com grandes áreas envidraçadas é afetado especialmente pelo WWR e pelo tipo de vidro das aberturas, podendo-se obter desempenhos semelhantes em modelos com WWR diferentes alterando-se exclusivamente a especificação do fechamento envidraçado. Fachadas completamente revestidas acarretam aumento determinante do consumo energético em todas as condições bioclimáticas analisadas. Quanto ao tipo de vidro, verificou-se que em climas quentes, como Recife, Salvador e Rio de Janeiro, o uso de vidros duplos de controle solar foi mais eficiente. Em Curitiba, São Paulo e Brasília, o vidro laminado de controle solar obteve desempenho semelhante ou melhor do que vidros duplos. Palavras-chave: Fachadas envidraçadas, consumo de energia, edifício de escritórios. ABSTRACT Buildings with high glazed areas in the façade are being reinforced as an international style of commercial architecture, even though its energy efficiency being widely questioned in Brazilian bioclimatic condition. Based on this question, the aim of this work is to define and to analyze the impacts of different configurations of glazed façades in the energy consumption of office buildings in Brazil. The EnergyPlus software was used to simulate different options of façades to an artificially conditioned office building with 20 floors. The analysis focused in the parameters: window to wall ratio (WWR), type of glass, façade skin configuration (completely covered by glass or not) and the usage of thermal insulation. Seven Brazilian cities were considered in the study: Curitiba, Recife, São Paulo, Brasília, Porto Alegre, Salvador and Rio de Janeiro. The results show that the energy performance of buildings with high glazed areas were affected specially by the WWR and by the type of the glass, performing similar behavior in models with different WWR, when changing the specification of the glass. Fully glazed façades result in significant increase of energy consumption in all the bioclimatic conditions under analysis. Regarding the type of glass, it was observed that in hot weather, such as Recife, Salvador and Rio de Janeiro, the use of insulated glass units were more efficient. However, in Curitiba, São Paulo and Brasília, the laminated glass(without air gap) obtained similar performance or even better than insulated glazing.
doi:10.17012/entac2014.628 fatcat:kzujteuqojalzowr4aylhuhrki