Por que (não) ensinar gramática na escola

Rodolfo Ilari
1997 Educação & Sociedade  
Praticada com um alto grau de consciência crítica e aplicada a uma pauta de problemas de grande amplitude, a investigação lingüística que se praticou no Brasil nas últimas décadas já pode contabilizar resultados, e o avanço dos conhecimentos foi enorme, quer no que se refere aos vários aspectos da língua portuguesa, quer no que concerne à linguagem, como fenômeno mental, cultural e político. Como era de se esperar, esse acréscimo de conhecimentos permitiu criar novas perspectivas e novos pontos
more » ... ivas e novos pontos de observação para quem quer refletir sobre as situações ou as práticas em que intervém a linguagem, e uma dessas situações é o ensino de língua materna praticado em nossas escolas, a começar pela escola pública. A partir dos anos 80, vários lingüistas têm chamado a atenção de seus leitores -um público idealmente constituído de estudiosos da língua, professores de português e alunos de faculdades de letras -para a precariedade desse ensino: destacando seu caráter anticientífico, 1 opressivo, 2 contrário ao desenvolvimento da criatividade 3 e avesso à natureza essencialmente pragmática e contextual da linguagem, 4 esses autores mostraram, em última análise, o quanto esse ensino é preconceituoso e reacionário. As advertências dos lingüistas não bastaram para reverter a situação vigente, e foram assimiladas, às vezes, de modo equivocado, resultando em novas distorções. É inegável que elas criaram um ingrediente novo tanto em lingüística como em pedagogia, estimulando uma linha de reflexão na qual o lingüista e o professor de língua lingüisticamente informado se debruçam * Resenha sobre o livro de POSSENTI, Sírio. Por que (não) ensinar gramática na escola. Campinas, ALB. Mercado de Letras, 1996, 96 p., Coleção Leituras do Brasil.
doi:10.1590/s0101-73301997000300011 fatcat:6pe5blphp5eerpayhojohxcvhi