Uso de misoprostol retal para indução do parto em gestantes com amniorrexe prematura: ensaio clínico fase II

Francisco Carlos Nogueira Arcanjo, Carlos Augusto Alencar Júnior, Francisco Edson de Lucena Feitosa, Melania Maria Ramos de Amorim
2003 Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia  
RESUMO Objetivo: avaliar se o misoprostol por via retal constitui método efetivo para indução do parto em gestantes com amniorrexe prematura a termo. Métodos: realizou-se estudo piloto, incluindo 32 gestantes com amniorrexe prematura entre 36 e 41 semanas, feto vivo e único, em apresentação cefálica, escore de Bishop ≤6 e sem contrações de trabalho de parto. Todas receberam misoprostol retal (comprimidos de 50 µg) a cada 4 horas até deflagração do trabalho de parto. Pacientes com tempo de bolsa
more » ... com tempo de bolsa rota ≥18 horas receberam antibiótico (penicilina cristalina) para profilaxia de infecção estreptocócica. Analisaram-se desfechos diversos como intervalo entre indução e início do trabalho de parto, entre indução e parto, incidência de taquissistolia, tipo de parto, incidência de corioamnionite e resultados neonatais. A análise estatística foi realizada no programa de domínio público Epi-Info 2002, calculando-se médias com os respectivos desvios-padrão, além de distribuições de freqüência. Realizou-se análise de sobrevivência para determinação do percentual de partos em função do tempo transcorrido (em horas) desde a administração do primeiro comprimido. Resultados: os intervalos (média ± desvio padrão) entre indução e início das contrações e entre indução e parto foram de, respectivamente, 299,8±199,9 e 681±340,5 minutos. Observouse freqüência de 9,4% de taquissistolia. Cerca de 72% das pacientes evoluíram para parto vaginal. Diagnosticou-se corioamnionite em 12,5% dos casos. As medianas dos escores de Apgar foram de 8 e 9 no primeiro e quinto minuto, respectivamente. Não houve nenhum caso de Apgar <7 no quinto minuto. Sepse foi constatada em 12,5% dos recém-nascidos. Conclusões: a indução do parto com misoprostol retal foi efetiva em pacientes com amniorrexe prematura, constatando-se 72% de partos vaginais e baixa freqüência de corioamnionite. Estes achados precisam ser confirmados em grandes ensaios clínicos controlados. PALAVRAS-CHAVE: Indução do parto. Prostaglandinas. Trabalho de parto. Introdução A amniorrexe prematura ocorre em aproximadamente 10% das gestações a termo, associando-se a aumento do risco de infecção materna e perinatal, à medida que aumenta o tempo transcorrido entre a ruptura das membranas e o parto 1 . Desta forma, a conduta atualmente preconizada para gestações a termo é a indução do parto se o
doi:10.1590/s0100-72032003000700005 fatcat:faappsk7pzh67jfbmgcpb2pt6i