Efeitos da modulação do córtex pré-frontal através da estimulação transcraniana com corrente contínua no tratamento do tabagismo [thesis]

Maria Célia Vitor de Souza Brangioni
Introdução: O tabagismo é atualmente uma das doenças crônicas mais comuns na população, estando desde 1990 inserida na Classificação Internacional de Doenças (CID10) da Organização Mundial da Saúde (OMS). É a principal causa de morte evitável em todo o mundo e uma das dependências de mais difícil tratamento. É considerado uma pandemia com um terço da população adulta fumante, cerca de 1,3 bilhão de pessoas, e estima-se que mate mais de 5 milhões de pessoas a cada ano em todo o mundo. É uma
more » ... a muito complexa que, embora 70% dos fumantes desejem parar de fumar, apenas 5% destes conseguem fazê-lo por si mesmos. As novas técnicas de neuromodulação por estimulação cerebral não invasiva (ECNI) tem se mostrado promissora no tratamento de várias condições neuropsiquiátricas e dentre elas a estimulação transcraniana por corrente contínua direta (ETCC) demonstrou efetividade na redução do desejo por consumo de cigarros e na redução do número de cigarros fumados em pacientes tabagistas em estudos prévios. Objetivo: analisar os efeitos da modulação do córtex pré-frontal dorso lateral esquerdo (CPFDLE) através da Estimulação Transcraniana por Corrente Contínua (ETCC) no tratamento do tabagismo. Metodologia: Foram randomizados 36 tabagistas: 19 receberam a ETCC (anódica no CPFDLE e catódica em região supraorbital direita) e 17 a Sham-ETCC com sessões de 20 minutos com 1mA, durante 5 dias. Foram aplicados: SCID-I, Questionário da História do Tabagismo, Teste de Fagerström, Escalas de Avaliação Analógica Visual de Motivação e Fissura (EVAs) e um cartão de automonitoramento do número de cigarros consumidos durante a pesquisa. As EVAs e a média de cigarros consumidos foram preenchidas no 1º, 5º, 7º e 35º dias. Resultados: Na ANOVA de medidas repetidas, foi verificado um efeito significativo sobre a vontade de fumar (F=17,35; p<0,001) e o consumo de cigarros (F=27,53; p<0,001), porém sem diferença significativa entre a interação desses fatores e grupo de tratamento (grupos ETCC e Sham-ETCC). Não houve diferenças na motivação (F=1,65; p=0,187) entre os grupos ETCC e Sham-ETCC. Conclusões: Nossos resultados não conseguiram confirmar a utilidade da ETCC no tratamento do tabagismo. Mais investigações com amostras maiores e outros parâmetros de estimulação são necessárias. Entretanto, a técnica se mostrou segura e de fácil manejo, o que incentiva novos estudos.
doi:10.26512/2016.09.d.22323 fatcat:ohaebpfmpbhshfkxeqmm7xobsi