O impacto da (in) segurança escolar na saúde de estudantes LGBT: violências recônditas nas frestas da escola

Everton Ribeiro
2021 Revista Brasileira de Estudos da Homocultura  
Resumo: O bullying homofóbico compromete, sobremaneira, o desenvolvimento de adolescentes, em seu desempenho escolar e em sua saúde física e mental. Com base em suas experiências de vida e processos de subjetivação e formação, o autor lança mão de pesquisas sobre o ambiente educacional brasileiro, bem como acerca do contexto da segurança escolar nos Estados Unidos, desvelando a discriminação que ocorre em espaços educativos. Na busca de subjetividades adjacentes, a pesquisa é qualitativa e
more » ... qualitativa e perpassa por uma revisão criteriosa e por um desenho que pressupõe a resolução de problemas cotidianos e imediatos, além de melhora de práticas concretas. Esta investigação é oriunda da experiência do pesquisador em seu estágio de doutoramento na Universidade do Texas, no Departamento de Desenvolvimento Humano e Ciências da Família e, portanto, remonta outras cores e linhas de fuga ao fenômeno pesquisado. Palavras-chave: bullying; LGBTfobia; saúde do adolescente; segurança escolar. Eles desfilam para conservar o direito de discriminar, castigar e corrigir qualquer forma de dissidência ou desvio, mas também para lembrar aos pais dos filhos não-heterossexuais que o seu dever é ter vergonha deles, rejeitá-los e corrigi-los (Preciado, 2013) A condenação da prática de sodomia chegou ao Brasil junto com a colonização portuguesa. Entre 1530 e 1830, a prática é considerada crime. Foram 300 anos de uma vigilância legalizada do buraco alheio. Na história ocidental, a homossexualidade foi sempre alvo dos variados tipos de opressão. Na Alemanha, em 1934, uma divisão secreta da polícia alemã exclusiva para lidar com homossexuais foi estabelecida. Entre as primeiras ações esteve a criação de "listas rosas" por todo o país, nestas constavam nomes de homossexuais masculinos desde o início do século XX. Durante 12 anos de regime 1 Doutor em Educação (UFPR). Bacharel e Licenciado em Artes Cênicas. Pedagogo. Professor do Instituto Federal do Paraná (IFPR).
doi:10.31560/2595-3206.2020.11.11204 fatcat:uqkuhn6zvvbnzkptoi2jifaohe