Inter-relações entre os ciclos de transmissão do Trypanosoma cruzi no município de Bambuí, Minas Gerais, Brasil

Alexandre José Fernandes, Liléia Diotaiuti, João Carlos P. Dias, Álvaro José Romanha, Egler Chiari
1994 Cadernos de Saúde Pública  
Neste trabalho apresentamos um estudo das inter-relações recentes entre os ciclos de transmissão silvestre e doméstico do T. cruzi no município de Bambuí, Minas Gerais, Brasil. No final da década de 1930, o Panstrongylus megistus era encontrado em 75% das casas. Subseqüentemente, o Triatoma infestans tornou-se a espécie predominante, sendo encontrada em 20% das residências urbanas e em mais de 60% das periurbanas. Com as intensas campanhas de borrifação desenvolvidas entre 1956 e 1969, o T.
more » ... 56 e 1969, o T. infestans foi erradicado do município, e a transmissão da doença de Chagas ao homem, interrompida, com aparecimento de P. megistus em residências rurais. Amostras de T. cruzi isoladas via xenodiagnóstico e hemocultura de 43 gambás (Didelphis albiventris) capturados em ambiente peridomiciliar e silvestre foram caracterizadas isoenzimaticamente e, independentemente da via de isolamento, apresentaram perfil de zimodema Z1. Por meio do Programa de Vigilância Epidemiológica da doença de Chagas, no período de agosto de 1986 a dezembro de 1988, 154 exemplares de P. megistus foram capturados pela população no peridomicílio e intradomicílio rural, estando 9,8% infectados pelo T. cruzi. Na caracterização isoenzimática de 13 amostras de T. cruzi isoladas desses triatomíneos, seis pertenciam ao zimodema Z1 (ciclo de transmissão silvestre), e sete ao Z2 (ciclo de transmissão doméstico). A captura de exemplares de P. megistus no intradomicílio, naturalmente infectados com parasitas de ambos os ciclos, indica a superposição dos ciclos de transmissão da doença de Chagas no município de Bambuí. Outra evidência da inter-relação dos ciclos pôde ser observada no isolamento de T. cruzi Z2 de um gato e a participação do cão como reservatório de T. cruzi Z1. A presença do P. megistus no peridomicílio representa importante elo entre o ambiente silvestre e o intradomicílio, servindo como veiculador do T. cruzi Z1 e na manutenção de ciclos de transmissão do T. cruzi Z2 no peridomicílio e domicílio, propiciando de forma gradual a reinfestação do município caso a Vigilância Epidemiológica seja interrompida.
doi:10.1590/s0102-311x1994000400007 pmid:14676933 fatcat:cyhkg2lie5hkdbbhvc5fxbqs6i