MORFOLOGIA DAS SEMENTES DE 35 GÊNEROS DE SCROPHULARIACEAE DO BRASIL - SUA APLICAÇÃO À SISTEMÁTICA DESTA FAMÍLIA

CARMEN LÚCIA FALCÃO ICHASO
1980 Rodriguésia  
RESUMO O presente trabalho visa a determinação dos gêneros, através das características seminais encontradas nas 99 espécies estudadas. Verificou-se uma variação não só no formato, quanto nas esculturações da testa e número de sementes por cápsula. Com base no formato e nas esculturações, foram estabelecidos 12 tipos de sementes, (Ichaso, 1978)além dos 5 anteriormente criados por Thieret. Observou-se, então, que a tribo Gratioleae é a que possui maior número de tipos, englobando o
more » ... eado, o reticulado, o foveado, o longitudinal-sulcado, o sulcado-ondulado-Tetraulacium e o granulado-Stemodia. Nos gêneros que a compõem, há uma predominância do tipo reticulado, que ocorre em Bacopa Aubl., (figs. 1-20), Mecardonia Ruiz et Pav. (figs. 20-25), Stemodia L. (figs. 28 e 34), Otacanthus Lindl. (figs. 35-37), Lindernia All. (fig 41), Scoparia L. (Figs. 44-46), Achetaria Cham. et Schlecht. (fig. 47), Capraria L. (fig. 48), Gratiola L. (fig. 49), Mazus Lour. (fig. 50). Segue-se o tipo longitudinal-sulcado, encontrado em dois gêneros: Stemodia L. (figs. 26,27, 30-32) e Limosella L. (Fig. 52). Dentre as Gratioleae é Stemodia L., o gênero que apresenta maior variação nos tipos: possui o granulado (figs. 25,29,33), o reticulado (figs. 28 e 34) e o longitudinal-sulcado (figs. 26,27,30-32). Seguem-se as tribos Verbasceae (reticulado-foveado), Calceolarieae (longítudinal-sulcado, fig. 56) e Hemimerideae (cristado-reticulado (figs. 57-67), todas elas com apenas um gênero. A tribo Antirrhineae, representado, no Brasil, por 4 gêneros, serviu de base à criação de 5 tipos de sementes, (Ichaso, 1978: 339) pois as 2 espécies de Antirrhinum L., variavam suficientemente e permitiram, cada uma, a criação de um tipo (figs. 68-69). Assim, tem-se os tipos: muricado-reticulado-alado (fig. 68), o densomuricado (fig. 69), o ondulado-alado-Linaria (figs. 70,70a), o corticoso-cristado-Cymbalaria (fig. 71) e o cristado-aiado-Maurandia (fig. 72). Chega-se às Digitaleae, também com apenas um gênero. Digitalis L., que possui o tipo reticulado (fig. 73). As Veroniceae, com Veronica L., serviram à criação de 2 tipos: o escavado-marginado (fig. 76) e o pseudo-laevis (figs. 74,75-75a e 77), Ichaso I.c.: 340-341. As Buchnereae, têm o tipo reticulado-inflado, como o predominante, pois ocorre em Gerardia L. (figs. 85-87), Nothochillus Radlk. (fig. 90), Castilleja L. (fig. 91), Melasma Berg. (fig. 92), Alectra Thunb. (fig. 93-94) e em Escobedia Ruiz et Pav. (fig. 95). Em Buchnera L. (figs. 78-83) e em Anisantherina Pennell, encontra-se o tipo reticulado. O tipo linear-oblongo ê encontrado em Physocalyx Pohl. (figs. 96-97). Quanto ao número de sementes por cápsulas, variam de poucas (menos de 25) em Veronica L., Tetraulacium Turcz. Antirrhinum L., Cymbalaria Hill, a numerosíssimas (acima de 300), em Physocalyx Pohl. e Escobedia Ruiz et Pav. Pode-se estabelecer uma correlação entre os diversos tipos de sementes, partindo-se do tipo foveado, chegando-se ao reticulado e daí alcançando-se os mais adaptados à anemocoria e assim, considerados os mais evoluidos, dentro da concepção de que qualquer adaptação a este tipo de dispersão, seria um grau de evolução alcançado pelas sementes. Pôde-se estabelecer um critério de diferenciação, utilizando-se, apenas, o caráter semente, para elaboração de uma "chave". Levantou-se a problemática de Anisantherina Pennell, ser um sinônimo de Rhamphicarpa Benth. emend. Engler, problema esse que só será solucionado, depois de exame de espécies africanas do gênero mencionado.
doi:10.1590/2175-78601980325303 fatcat:n3kj2gkglrcipfzoq4npynmwcy