Reprodução sexuada de Dyckia tuberosa (Vell.) Beer (Bromeliaceae, Pitcairnioideae) e interação planta-animal

Simone Bazarian Vosgueritchian, Silvana Buzato
2006 Revista Brasileira de Botânica  
Sexual reproduction of Dyckia tuberosa (Vell.) Beer (Bromeliaceae, Pitcairnioideae) and plant-animal interaction). Bromeliaceae is an important component in several Biomas due to its remarkable ecological diversity as well as biotic interactions. It presents a combination of two reproductive mechanisms: sexual and clonal propagation. We describe in this study the various attributes related to the sexual reproduction of Dyckia tuberosa as well as plant-animal interactions that take place in its
more » ... take place in its reproductive structures. In the population studied, 55% of individuals blossomed and set fruit over an 11-month period. The flowers developed from the basis to the top and had morphometrical differences with regard to its position in inflorescence that cause also differences in number of seeds set. Sugar concentration in the nectar was 20% and total production of nectar was about 24 µL flower -1 day -1 . Nectar production was bigger in the morning period. Dyckia tuberosa is self-incompatible, an unusual feature for Bromeliaceae, and the index of self-incompatibility (ISI) was 0.08. Only hummingbirds were responsible for the legitimate visits of flowers, contacting anthers and stigma, and 3.9 flowers were visited per hour. Chlorostilbon aureoventris, Colibri serrirostris and Phaethornis eurynome were the hummingbird species registered. Sexual reproduction on D. tuberosa depends on hummingbirds'visitation. Inflorescences of D. tuberosa were also visited by the ant species Camponotus rufipes, Camponotus cf. mus and Cephalotes sp. As sexual reproduction is absent in many individuals and this species is dominant on the granite outcrop of Pedra Grande, we consider clonal propagation an important strategy for the spread of this species in this area. Given the presence of food resources for pollinating and non-pollinating animals on reproductive structures of D. tuberosa, this system seems suitable to assess how variation on resources availablity change the results of these interactions as well as the reproductive output of D. tuberosa. Key words -floral biology, hummingbird pollination, plant-ant interaction, reproductive phenology, self-incompatibility RESUMO -(Reprodução sexuada de Dyckia tuberosa (Vell.) Beer (Bromeliaceae, Pitcairnioideae) e interação planta-animal). Bromeliaceae é um componente importante em vários Biomas, sendo notável a variedade de contextos ecológicos em que pode ser encontrada. Ocorre no grupo a combinação entre dois modos de reprodução: sexuada e propagação clonal. Neste estudo descrevemos vários atributos relacionados à reprodução sexuada de Dyckia tuberosa, bem como interações planta-animal que se estabelecem em suas estruturas reprodutivas. Ao longo de 11 meses, 55 % dos indivíduos na população estudada floresceram e frutificaram. As flores se desenvolvem da base para o ápice e apresentam diferenças morfométricas quanto à posição na inflorescência que acarretam diferenças na produção de sementes. A concentração de açúcares no néctar foi de 20% e a produção total de néctar foi de c. de 24 µL flor -1 dia -1 , sendo esta última maior no período da manhã entre 8h00 e 9h00. Dyckia tuberosa é auto-incompatível e o índice de auto-incompatibilidade (ISI) foi de 0,08. Somente beija-flores exploraram as flores de modo legítimo, contatando anteras e estigma, sendo 3,9 flores visitadas por hora. Chlorostilbon aureoventris, Colibri serrirostris e Phaethornis eurynome foram as espécies registradas. Em D. tuberosa a reprodução sexuada depende das visitas dos beija-flores. Houve patrulhamento das inflorescências de D. tuberosa pelas formigas Camponotus rufipes, Camponotus cf. mus e Cephalotes sp. Como há ausência de reprodução sexuada em muitos indivíduos, e esta espécie é dominante no afloramento rochoso estudado, consideramos que a propagação clonal seja uma estratégia importante para a disseminação de D. tuberosa na área. A presença de animais, polinizadores ou não, na inflorescência de D. tuberosa torna esta espécie adequada para avaliar como variações na disponibilidade de recursos florais alteram o resultado das interações planta-animal e o sucesso reprodutivo de D. tuberosa. Palavras-chave -auto-incompatibilidade, biologia floral, fenologia reprodutiva, interação formiga-planta, polinização por beijaflores
doi:10.1590/s0100-84042006000300010 fatcat:j32qpafetvfwfpfzfv3cp55uci