Geologia dos granitos porfiríticos de Ilhabela - Petrogênese e evolução crustal [thesis]

Glaucia Silva Barreto
v AGRADECIMENTOS Mikuin, Schorscher e Caetano admiráveis professores, obrigada pela paciência, carinho, sabedoria, confiança, acompanhamento e orientações ao longo do caminho geológico percorrido, grandes sábios das geociências. Agradeço ao suporte financeiro fornecido pela FAPESP, projeto no. 2012/15462-7: As orogenias neoproterozóicas nos domínios São Roque/Serra do Itaberaba, Embu e Costeiro e a evolução crustal e tectônica do Sudeste do Estado de São Paulo, sob coordenação do Prof. Dr.
more » ... o do Prof. Dr. Caetano Juliani. Bolsa de estudos concedida pela CNPQ e financiamentos para atividades de campo e participação em eventos pela CAPES PROEX -Programa de Geoquímica e Geotectônica da Universidade de São Paulo. Esta dissertação é resultado da contribuição de muitas pessoas, incluindo alunos e professores desse instituto e de outros para quem eu pedi socorro e estes não hesitaram em ajudar. Orka, obrigada pela ajuda no Arcgis e todas as discussões geológicas ao longo da vida, com você por perto meu mundo fica mais colorido. Fofona e Dira agradeço pelas orientações com tratamento de dados, Carlos por toda e tanta ajuda com o Arcgis, Sinistro por ajudar com tabelas, Iskenta métodos de impressão, Profs. Fátima, Lucelene, Bisteka e Valdecir por conversas sobre granitos, Maria Isabel por compartilhar onde viu granitos na Ilhabela. Minha mãe, por todo o suporte e amor dedicado, obrigada. Guibs agradeço por emprestar seu computador, revisões de texto, palavras de força com caráter motivador, companhia intelectual virtual e, por todo o acompanhamento ao longo de 8 anos de amor, companheirismo e amadurecimento mútuo. Ao pessoal que acompanhou em campo Mikuin, Schorscher, Oncinha, Fiona, Indigente, Fidida, Verônica, Brutus, pessoal do Parque Estadual de Ilhabela, muito obrigada pela companhia e suporte físico e mental dedicados. Agradeço ao Samuca por me ajudar com as amostras e ao Vasco e Kulman no tratamento para datação. Agradeço o apoio técnico das equipes de laboratório, Zé Paulo, Marcos, Leandro, Angélica, Paulinho, pessoal da laminação, os funcionários da Seção de pósgraduação por sempre estarem dispostos a ajudar e esclarecer dúvidas, moças da copa, meninos da audiovisual, meninas da limpeza, manutenção, lanchonete, portaria pela segurança e amizade, pessoas com que tive a oportunidade de conviver e pedir muitos favores. Todos participantes do 8 th Hutton, que estavam sempre muito dispostos a conversar sobre evolução crustal, processos magmáticos e onde eu tive uma supersaturação mental agradabilíssima, recheada com granitos e processos magmáticos. Pânico e Rejeito, obrigada pela companhia e tolerância. A todos os colombianos que são tão agradáveis de conviver, Santi, Andres, Daniel, Maria Paula, Johanna e Laura. Pessoal da turma de 2015 obrigada pelas perguntas em Geogeral. Obrigada a todos que me ajudaram e cruzaram meu caminho, sempre deixando lembranças agradáveis e palavras de apoio. Penso nesses dois anos de trabalho intenso realizado no IGc -USP como anos incríveis, onde tive oportunidade crescer e mudar muito, de conviver com pessoas maravilhosas, que muitas vezes nem sabe o quão maravilhosas são. Agradeço todo o aprendizado que vocês puderam me fornecer, de maneira direta ou indireta, aos professores, funcionários e alunos. Espero que as ideias que estão nas páginas seguintes possam ser uteis, sabendo que ainda muito há de ser feito. vi RESUMO vii ABSTRACT Ilhabela is a scenery island located in the northern coast of São Paulo State, southeastern Brazil, and is included in the Mantiqueira Province, as part of the Central Ribeira Belt (CRB). In a local context, Ilhabela and the adjacent continental areas are designated as Costeiro Domain. The Ilhabela is a partially detached continental fragment. The western NE-directed narrow belt of gneissic Precambrian basement, parallel to the coast, is represented by variably mylonitized gneisses. The eastern and most expressive basement unit of Ilhabela is composed of granitic intrusions, named Ilhabela Batholith. Mesozoic mafic dikes, three major alkaline syenite stocks, layered gabros and trachyte dikes intruded the Precambrian rocks. The metamorphic units comprise coarse-grained ortogneisses rich in leucocratic veins, intercalated with mesocratic biotite gneisses, banded gneisses and calc-silicate rocks. Lenses and irregular bodies of leucocratic mylonitic granites and leucocratic gneiss occur within the coarse-grained gneisses. The gneissic terrain is intensively deformed, with mylonitic foliation (NE-striking, NW-dipping structured) and rootless intrafolial folds with thickened hinges. The gneissic rocks show sodic geochemical character with high SiO2 contents, yielding TTG affinities. The Ilhabela Batholith is intrusive in the gneissic units. It comprises foliated porphyritic granitoids that can be divided into five granitic facies, represented by (i) hornblende-bearing porphyritic granodiorites, (ii) enclave-rich porphyritic granodiorites, (iii) green porphyritic granites, (iv) garnet-bearing porphyritic granites and (v) phenocryst-rich garnet-bearing granodiorites. Furthermore, restricted occurrences of monzonite, leucogranite and the Castelhanos Granite complete the Precambrian granitic units. Structural and petrographic similarities indicate batholithic-sized processes with different effects in distinct crustal levels. Based on petrographical and geochemical constraints, at least three different sources can be defined for the petrogenesis of the Ilhabela Batholith: (i) mantle-like A-type alkaline magma (green porphyritic granites and monzonites); (ii) middle to lower crust-like I-type calc alkaline magma (hornblende-bearing porphyritic granodiorite); and (iii) middle to upper crust-like S-type peraluminous magma. The granitoids magmatic foliation, parallel to subparallel to the host mylonitic foliation (NE-striking and dipping to NW), narrow solid-state deformational zones (with marginal recrystallization of feldspars and chessboard subgrain patterns) suggest syn-tectonic emplacement of the studied rocks. Well-preserved magmatic structures and minor solid-state deformation suggest emplacement in a relatively high-temperature low strain environment. Therefore, the shear zones would facilitate the emplacement and interaction between different sourced magmas. The ~570 Ma post-collisional anorogenic magmatism of the Ilhabela Batholith is in agreement with a recently proposed tectonic model (Meira, 2014), associated with decompression-related metamorphism occurred between 600-560 in the Central Ribeira Belt. This metamorphic stage would be related to the orogenetic collapse of the collisional orogen (Brasilia orogen) with metamorphic peak between 650-600 Ma.
doi:10.11606/d.44.2017.tde-28032017-081002 fatcat:ovrxnsxxhravvbncs6o4b7xbcm