Francisco da Silva Laranja, Filho: 1916-1989

Mário Aragão
1990 Cadernos de Saúde Pública  
Acima de tudo a simplicidade própria das pessoas que estão seguras de que são competentes e eficientes. Foi um daqueles que confirmaram a vantagem do pesquisador ser originário ou, ocasionalmente, trabalhar em serviço de rotina. Vindo da medicina previdenciária, igual a outros que foram fundadores do Instituto Oswaldo Cruz (IOC), como Neiva, Godói e Costa Lima, vindos da saúde pública, deixou uma sólida contribuição científica. Essa mesma característica é observada em alguns pesquisadores da
more » ... pesquisadores da atual Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), originários do Serviços Especial de Saúde Pública (SESP) e do Serviço Nacional de Malária (SNM). A descoberta de diversos casos de doença de Chagas na Argentina, na década de 40, por Salvador Mazza, iria mudar completamente a vida profissional do nosso ex-diretor do IOC e colega na Escola Nacional de Saúde Pública (ENSP) até o corrente ano. Os trabalhadores do Prof. Mazza levaram o Prof. Aragão, então diretor do IOC, a resolver reativar as pesquisas sobre doença de Chagas no Instituto. A idéia foi, aproveitando os trabalhos feitos quando Evandro Chagas dirigia o Serviço de Estudos de Grandes Endemias, criar um posto na cidade de Bambuí, onde havia sido observada uma alta incidência da doença. A pessoa escolhida para essa tarefa foi o protozoologista Emmanuel Dias, discípulo de Carlos Chagas e de Gomes de Faria, que havia se destacado no estudo de trypanosoma cruzi. Esse, sentindo a necessidade de melhorar os seus conhecimentos básicos, pediu autorização para, antes de se dirigir a Bambuí, fazer um curso de cardiologia. O professor era Magalhães Gomes e o assistente Francisco Laranja. Emmanuel e Laranja, ambos muito ativos, logo se entenderam,dando início a uma sólida e duradoura amizade. Com o início das atividades em Bambuí e sentindo a amplitude que elas iriam alcançar, Emmanuel convenceu o diretor, Prof. Aragão, a requisitar Laranja para o Instituto, a fim de continuar a ampliar as pesquisas já iniciadas por Evandro Chagas, sobre a cardiopatia chagásica. Nessa época já trabalhava no hospital do Instituto o clínico Genard Nobrega e, dessa forma, constituiu-se o famoso grupo de Bambuí, que foi a vanguarda da imensidão de estudos sobre doença de Chagas, que até hoje vêm sendo desenvolvidos no Brasil. Deve-se ainda acrescentar que, nesse grupo de Bambuí, se iniciou o Dr. José Pellegrino, que viria a ser um dos grandes pesquisadores do Instituto Nacional de Endemias Rurais (INERu).
doi:10.1590/s0102-311x1990000100013 fatcat:53atf3sbczednizbe67fjkkeze