A trajetória do projeto CIEJA entre as políticas públicas de EJA na cidade de São Paulo [thesis]

Vanessa Elsas Porfirio de Faria
Dedico este trabalho aos estudantes e companheiros dos CIEJAs Butantã e Campo Limpo, que me ensinaram a ensinar e a aprender coletivamente, que me animaram a prosseguir na luta pelo direito à educação e pela felicidade na vida presente. Agradeço aos meus pais, Maria Therezia Elsas e Mario Luis Porfírio de Faria, por me ensinarem que a educação transforma vidas, por insistirem e me apoiarem em assim transformar as nossas. Gratidão à Profa. Dra. Maria Clara Di Pierro, por compartilhar
more » ... rtilhar conhecimentos enriquecedores, pelo incentivo, pela compreensão e paciência com minhas limitações. Agradeço pelo exemplo e compromisso com a educação de jovens e adultos, que me orientaram a prosseguir. Agradeço à Profa. Dra. Marília Spósito e aos colegas da pós-graduação que realizaram leituras generosas e me auxiliaram a desenhar o projeto de pesquisa. Gratidão aos meus avôs Antônio Porfírio de Faria e Harry Elsas e minhas avós Therezinha de Oliveira Faria e Cacilda Elsas, que me encantaram pelos saberes e sabores dos livros, da arte, da terra e da convivência com a gente ao redor. À minha irmã, Mariana, e ao meu sobrinho, Victor, por compreenderem meus isolamentos e me conectarem com a alegria do cotidiano. Agradeço também aos amigos, especialmente, Célia Aparecida , pelo compromisso com a educação, pelos ombros que descansaram minhas angústias e me empurraram para frente. Gratidão imensa a todos que contribuíram para que eu pudesse ouvir e contar um pouco da história presente e para que ela se erguesse diariamente nos CIEJAs. Mãos Dadas (Carlos Drummond de Andrade) Não serei o poeta de um mundo caduco. Também não cantarei o mundo futuro. Estou preso à vida e olho meus companheiros. Estão taciturnos, mas nutrem grandes esperanças. Entre eles, considero a enorme realidade. O presente é tão grande, não nos afastemos. Não nos afastemos muito, vamos de mãos dadas. Não serei o cantor de uma mulher, de uma história, não direi os suspiros ao anoitecer, a paisagem vista da janela, não distribuirei entorpecentes ou cartas de suicida, não fugirei para as ilhas nem serei raptado por serafins. O tempo é a minha matéria, o tempo presente, os homens presentes, a vida presente.
doi:10.11606/d.48.2014.tde-10112014-143819 fatcat:atbqh5pizzcwlk2fshc6ph6kd4