O conceito de paciência em Kierkegaard

Ramon Bolivar Cavalcanti Germano
2020 Aufklärung  
RESUMO: Nosso objetivo neste artigo é analisar o conceito de paciência em Kierkegaard assim como apresentado nos discursos edificantes Adquirir a sua alma na paciência (1843) e Preservar a sua alma na paciência (1844). Mostramos como o conceito de paciência envolve uma compreensão peculiar do Eu (si mesmo, Selv) e como se articula aí uma relação entre a paciência e o eterno. Como isso abrimos uma perspectiva de leitura mais ampla que insere o debate específico sobre a paciência em uma discussão
more » ... ia em uma discussão mais geral acerca do conceito de transcendência. Mostramos o vínculo que existe entre a paciência, como uma experiência humana de autotranscendência, e o eterno, como transcendência absoluta. O Eu que se adquire e se preserva na paciência está posto em uma situação de autotranscendência, ou seja, é retirado de sua posição autocentrada e liberado de seu apego a si mesmo e ao mundo. Em outros termos, o que a paciência nos revela é que, a conformação do simesmo à sua própria medida depende, antes de tudo, de um deslocamento que transtorna a mundividência autofixada do Ego. PALAVRASCHAVE: Simesmo. Paciência. Mundo. Transcendência. Autotranscendência. ABSTRACT: Our aim in this article is to analyze the concept of patience in Kierkegaard as presented in the Upbuilding Discourses Acquire your soul in patience (1843) and Preserve your soul in patience (1844). We show how the concept of patience involves a peculiar understanding of the Self (Selv) and how a relationship between patience and the eternal is articulated there. In this way, we open a broader reading perspective that inserts the specific debate about patience in a more general discussion about the concept of transcendence. We show the link that exists between patience, as a human experience of selftranscendence, and the eternal, as absolute transcendence. The self that is acquired and preserved in patience is placed in a situation of selftranscendence, that is, it is removed from its selfcentered position and freed from its attachment to itself and the world. In other words, what patience reveals to us is that the conformity of the self to its own measure depends, above all, on a displacement that surpasses the selffixed worldview of the Ego.
doi:10.18012/arf.v7iesp.56739 fatcat:wq2dg5mbs5ccjfo2h7qj7gls44