Fatores ambientais e sociodemográficos associados à fadiga e à Síndrome de Burnout em professores do ensino médio de escolas públicas

Lígia Emília de Abadia, Leonardo Luiz Borges, Jacqueline Andreia Bernardes Leão Cordeiro, Antonio Márcio Teodoro Cordeiro Silva, Rogério José de Almeida
2020 Saúde (Santa Maria)  
Objetivo: analisar os fatores ambientais e sociodemográficos associados à fadiga e à Síndrome de Burnout em professores do ensino médio de escolas da rede pública da cidade de Goiânia/GO. Método: trata-se de um estudo transversal analítico com abordagem quantitativa. Foram utilizados um questionário e duas escalas psicométricas que permitiram a investigação dos dados ambientais e sociodemográficos e dos escores da Síndrome de Burnout e de fadiga. Resultados: participaram da pesquisa 127
more » ... esquisa 127 professores, faixa etária predominante até 35 anos (49,6%), sexo feminino (61,4%), casados (56,71%), com filhos (53,5%) e referiram que o ambiente de trabalho trazia risco à saúde (81,9%). Níveis mais altos de fadiga foram identificados em idade acima 35 anos (p = 0,0349), sexo feminino (p = 0,0119) e naqueles que dormiam menos de sete horas (p = 0,0428). Identificou-se correlação positiva entre fadiga e exaustão emocional (r = 0,6838; p 0,0001), entre fadiga e despersonalização (r = 0,4030; p 0,0001) e inversamente proporcional entre fadiga e realização profissional (r = - 0,3186; p = 0,0003). Conclusão: foram identificados diversos fatores, tanto ambientais quanto sociodemográficos, que possuem associação significativa com maiores escores nas dimensões que compõem a Síndrome de Burnout, bem como maiores níveis de fadiga. Ademais, evidenciou-se que há uma correlação positiva entre esses dois agravos que acometem os professores.
doi:10.5902/2236583448048 fatcat:6lvq7cxhuzdapak3sfliis7qpy