O Homem: Ser-No-Mundo-Com-Os-Outros

Lenir Lopes Dettoni, Josenir Lopes Dettoni, Jovanir Dettoni
unpublished
Resumo No presente artigo, propomo-nos seguir alguns passos do pensamento antropológico de Hei-degger. Para ele, a compreensão fundamental sobre o homem está relacionada com a questão metafísica sobre o Ser, relegada desde a Escolástica. Seu intento é o de retomá-la, particularmen-te a partir de Aristóteles. O método que considera capaz de conduzir com eficácia os rumos des-te intuito é o fenomenológico. Para uma adequada apresentação de seu posicionamento sobre o tema, acompanhamos Heidegger
more » ... anhamos Heidegger em três passos: no primeiro, o mundo; no segundo, a história e, no terceiro, o homem. Sobre o mundo, o pensador o entende como o ambiente existencial do homem, ambiente no qual está inserido, mas que é formado, projetado, ordenado pelo próprio homem através da linguagem. Assim, o homem é "jogado" no mundo, recebe o mundo já dado. Mas o mundo só é mundo para ele enquanto pode transformá-lo, assumi-lo, dar-lhe sentido, pelo seu projeto. Quanto à história, Heidegger sustenta que a dimensão espaço-temporal não é meramente física, mas existencial, isto é, recebe sentido do homem e para o homem. Este, ape-sar de também "jogado no tempo", assume o tempo, o seu tempo, com o seu passado e o orienta para o futuro. A história é a possibilidade de o homem assumir-se e realizar o seu projeto e rea-lizar-se como projeto. É na história e pela história que o homem se situa e se reporta ao Ser. Nes-se sentido, o tempo é considerado como templo do Ser. Templo porque é no horizonte do tempo , nos limites do templo-tempo, que o homem pode se realizar. Já no que se refere ao homem, o filósofo aponta que, inserido (ou jogado) no mundo, o ser humano não vive só; vive rodeado de outros homens e de outros entes não-humanos. E é na relação dupla do homem com seus se-melhantes e do homem com os não-humanos que o homem vive, desenvolve-se e se projeta. O caráter de coexistência, portanto, é caráter fundamental do homem. Com isso, o ser-no-mundo-com-o-outro é a condição básica de humanização. Por fim, tecemos considerações sobre como a filosofia de Heidegger, apesar de sofrer consistentes críticas em nossos dias, de modo especial por seu caráter antropocêntrico, revela-se ainda importante para o pensamento contemporâneo e comporta interessantes categorias de análise fenomenológica acerca da existência humana. Abstract In this article, we seek to follow a few steps of Heidegger's anthropological thought. For him, the fundamental understanding of man is related to the metaphysical question of being relegated from Scholastic. His intent is to resume it, particularly from Aristotle. The method which can effectively lead the direction of this order is the phenomenological. For a fair presentation of its position on the issue, we follow Heidegger in three steps: first, the world; in the second, the history and the third, man. About the world, the thinker understands as man's existential environment , the environment in which he is inserted, but it is formed, designed, ordered by man himself through language. Thus, man is "thrown" onto the world, receives the world already
fatcat:o2lwib3itnbdvj5jh5uqftypue