Fear as biopolitical device

Sonia Regina Vargas Mansano, Marcos Nalli
2018 Psicologia - Teoria e Prática  
Resumo: O medo pode ser compreendido como um componente de subjetivação que atravessa a história da humanidade ganhando diferentes contornos e sendo expresso nas relações afetivas, laborais, sexuais e sociais. O presente artigo busca problematizar o medo como um dispositivo biopolítico que pode ser compreendido como um conjunto de práticas, normas, edificações e hábitos que participam da produção dos modos de existência. A investigação foi dividida em três momentos: primeiro, o medo é examinado
more » ... o medo é examinado em uma perspectiva psicanalítica, com foco na psicodinâmica dos mecanismos de defesa; em seguida, são analisadas as maneiras como o medo cumpre funções sociais específicas, sendo difundido em relações que despotencializam e enfraquecem o sujeito e as coletividades; por fim, é explorada a articulação entre medo e biopoder, enfatizando sua disseminação estratégica. Ao final do estudo, constata-se que o medo é compartilhado como uma estratégia de sobrevivência que pode culminar na experimentação de outras possibilidades de existência. Palavras-chave: medo; subjetividade; biopolítica; contemporaneidade; modos de vida. FEAR AS BIOPOLITICAL DEVICE Abstract: Fear can be a subjective component that crosses human history and gains different contours, and it is present in emotional, professional, social, and sexual relationships. This article aims at discussing fear as a biopolitics device that can be a set of practices, rules, and customs buildings participating in the production of modes of existence. There are three steps to this investigation: firstly, fear is approached in a psychoanalytic perspective, focusing on the psychodynamics of defense mechanisms; then, we analyze how fear meets specific social functions, and it is widespread in relationships that undermine and weaken the subject and the collectivities; finally, we explore the links between fear and bio-power, emphasizing its dissemination strategy. At the end of the study, we note disclosure of fear as a survival strategy that can culminate in experimentation with other possibilities of existence. EL MIEDO COMO DISPOSITIVO BIO-POLÍTICO Resumen: El miedo puede ser entendido como un componente de subjetivación que atraviesa de la historia humana, ganar diferentes contornos y se expresa en relaciones
doi:10.5935/1980-6906/psicologia.v20n1p85-97 fatcat:qiu7mr326barnl4i7u7wyimsta