Grupo de movimento: conceituação, estado da arte e aplicação na área educacional [thesis]

Tania Alves Nogueira
meu presente: Beto e Luna. AGRADECIMENTOS De repente, descobri que escrever uma dissertação não é muito diferente da montagem de um espetáculo e que, embora, muitas vezes o processo de criação seja um pouco mais solitário, uma equipe se faz mais do que necessária para que o sonho se concretize. Ante ao tamanho das ações de cada pessoa que me auxiliou nessa jornada, quero manifestar o meu sentimento de profunda gratidão: Ao meu orientador, Paulo Albertini, por quem já tinha grande admiração e
more » ... ande admiração e passei a admirar ainda mais pela sua sensatez, dedicação, cuidado e ampla visão de pesquisador. A ele, devo toda a dimensão que se criou neste estudo e à tranquilidade em me trazer para a terra quando me empolgava em demasia com alguma ideia. À Capes, Instituição de fomento à pesquisa, pelo apoio financeiro, viabilizando a concretização desta pesquisa. Aos professores doutores Ana Maria de Barros Aguirre e Ricardo Amaral do Rego, por me ajudarem a discutir o tema, ofertando sugestões e reflexões necessárias para a lapidação da pesquisa. Aos psicoterapeutas corporais que com suas publicações fizeram com que esta investigação se efetivasse. A todos os professores que ministraram disciplinas, colocando-me em contato com outras abordagens teóricas, ampliando assim o meu campo de visão relacionado ao tema: prof. Rogério Lerner, profa. Marta Nascimento pelo curso Artigo Científico: dos fundamentos à submissão e fontes de informação em Psicologia. À Maria Olívia Martins Rosa, secretária do departamento e Aída Helena Martins de Oliveira, secretária da pós graduação, que por vezes me acolheram ajudando-me a amenizar a ansiedade diante das burocracias que direcionam o processo. À Paula Boero, uma amizade conquistada durante este estudo, pelos tantos almoços, auxiliando-me com seus comentários e sua experiência de pesquisadora. Aos queridos Sérgio Luiz de Oliveira e Karina Luiza de Oliveira, pelo suporte e ensinamentos oferecidos no campo da informática. Ao Tasso Augusto Campana dos Santos pela dedicada parceria e minuciosa revisão que perpassa todo o meu texto. Á artista plástica, Sâmara Costa, pela sua força criadora que gerou a criação da capa deste trabalho. Aos sobrinhos Gustavo e Gabriela pelo amparo dado às revisões da língua inglesa. À Silvana Tenório, minha antiga psicoterapeuta, que por um tempo acompanhou minhas buscas e angústias, ajudando-me a compor um novo jeito de dançar na vida. À Maria de Fátima Matos Cardoso (Fatiminha), amiga e parceira presente antes mesmo da efetivação deste trabalho e durante sua execução, cedendo horas de discussão, dando-me sugestões, carinho, acolhimento. À Cecília Hanna Mate, ex-professora e amiga, pelas lições do passado que tanto influenciam o meu presente. À família amada, Ivana, Paulo, Julinha, João Pedro e Ênio, pelos tantos acolhimentos e carinho entre uma viagem e outra. Aos novos amigos que tanto compreenderam e me ajudaram a administrar a minha ausência, dando-me suporte familiar, afeto e incentivo: Márcia Basso do Nascimento de Oliveira, Alija, Loana, Esther, Flaviana, os clareantes João Guilherme, Clarice e Fabíola. Às auxiliares que dividiram comigo as funções domiciliares: Niziani Cristina Borges, Fabiane, Rose e a sra. Irene Kovalucki com quem ainda posso contar atualmente. Aos familiares que por vezes respeitaram minhas ausências e escassez de tempo para compartilhar momentos. Aos meus professores escolares, os quais tenho com muito apreço por terem acreditado e ajudado a desenvolver meu potencial. Sem a pretensão de conseguir fazer menção a todos, destaco: Carlos, Maria de Lourdes e Estanislau (profs. de português e ciências do ensino fundamental); Dra. Eunice Quilici Gonzales e Dra. Maria Tereza de Sá Pancini (primeiras orientadoras acadêmicas); Dra. Elizabeth Guisle Yaslle (mais que uma professora da graduação em Psicologia, a pessoa que me abriu oportunidades na dança); Dra. Márcia Torresi (quem me introduziu ao pensamento reichiano); Dr. Francisco Hashimoto (prof. de estágio do curso de Psicologia que confiou em minha proposta de junção da dança com a psicologia); Fátima Teixeira, Suely Silva Freitas, Sandra Freitas, Fernando de Freitas, Edson Galrão de França (profs.da formação neorreichiana e psicossomática). Aos meus mestres da dança: Rosângela Delgado, Leila, Fátima Barbosa, Isabel Gusman, Mário Nascimento, Alexandrino Ducarmo, Tica Lemos, Renata Macedo Soares, Georgina Fariñas e todos aqueles que atravessaram minha vida deixando suas marcas. Aos amigos lumiantes (Inst. Lumen) e das disciplinas que cursei durante esse mestrado. Aos ex-alunos e pacientes que sem saber fizeram fortalecer minhas ideias e rumos profissionais. Aos amigos do passado que indiretamente tiveram influência no caminho que escolhi seguir, plantando sementes do desejo de conhecer. Para representá-los, Alysson Andréa da Costa, José Carlos dos Santos, Giane Fregolente, Anatalina Lourenço e Arnaldo Ap. Tiozzo. Ao meu irmão, Fábio, que com sua objetividade se fez presente em momentos específicos e de grande significado. Aos meus pais, Lourdes e Arlindo, pelo grounding suficientemente bom e o constante apoio em minhas buscas. Ao Beto, pelo companheirismo, dedicação, cumplicidade, compreensão e afeto incondicional. À Luna, filha amada, de sensibilidade radiante, que com tão pouca idade soube compreender as minhas limitações de tempo. A todos que direta ou indiretamente atravessaram a minha história, em algum lugar no tempo ou espaço, incluídos aqui ou não, o meu muito obrigada! O viajante volta já ..A viagem não acaba nunca. Só os viajantes acabam. E mesmo estes podem prolongar-se em memória, em lembrança, em narrativa. Quando o viajante se sentou na areia da praia e disse: "Não há mais que ver", sabia que não era assim. O fim duma viagem é apenas o começo doutra. É preciso ver o que não foi visto, ver outra vez o que se viu já, ver na Primavera o que se vira no Verão, ver de dia o que se viu de noite, com sol onde primeiramente a chuva caía, ver a seara verde, o fruto maduro, a pedra que mudou de lugar, a sombra que aqui não estava. É preciso voltar aos passos que foram dados, para os repetir, e para traçar caminhos novos ao lado deles. É preciso recomeçar a viagem. Sempre. O viajante volta já. José Saramago Palavras chaves: Wilhelm Reich (1897-1957). Terapia corporal (psicoterapia). Psicoterapia de grupo. Educação. Grupo de Movimento. Abstract Nogueira, T. A. (2010). Body Movement Group: conceptualization, state of the art and application in education. Master's Thesis, Institute of Psychology, University of São Paulo, São Paulo. This thesis concerns a theoretical research about the Body Movement Groups, an intervention strategy which arises from body psychotherapy. It consists of giving people body experiences in order to help relieving physical and emotional tension. Three main objectives guide this research: a) an appraisal of the state of the art; b) a discussion about the concept and the usage of the Body Movement Groups; c) an investigation of the possible applications of this activity in education. A literature research on published scientific studies on this group strategy was performed in order to obtain data about: 1) the origin of this form of intervention; 2) the conceptual basis; 3) fields and methods of application. The aim is to identify the area to which the work is linked (clinical, education or public health), the procedure used (e.g., an outline on the group's formation and its characteristics, the number of sessions, the sequence of performed activities, the methods used to collect and analyse data), the presence or absence of Reichian concepts in applied theory and the results achieved. The review and analysis of referred literature totalized 30 papers on the topic: seven essays, four monographs, three articles and sixteen abstracts. There were nine Body Movement Group activities developed with the elderly, five with psychiatric patients, two concerning public school teachers, one with drug users in a day hospital, one with community health workers in a public health center, one concerning nurses and practical nurses, two with teenagers participating in a social project, one with children who go to private clinics, three developed with adults in a private clinic and one concerning pregnant women. This survey reveals that Body Movement Group activities are not restricted to private clinics only -where they were first introduced -but are being held at several institutional levels. All studies are indicators of positive contributions triggered by the application of such activity. However, despite the existence of several papers on the subject, there is a lack of studies problematizing this group praxis. Thus, there is a need to investigate further in the achievement of a more clear and explicit methodological formulation. Finally, the discussions raised in this study may contribute to the discussion of the fundamentals of this group strategy, to the organization and dissemination of the activities performed with Body Movement Groups, as well as to analyze the results obtained with diverse groups, especially in education.
doi:10.11606/d.47.2010.tde-09022011-102040 fatcat:5vfojwv42ndanoh4ybl4adcdjy