Itinerário demental para composição de poetas

Fábio Santana Pessanha
2017 Fórum de Literatura Brasileira Contemporânea  
Ser demente comumente significa não estar bem das ideias. Mas na poética de Manoel de Barros é quando alguém ouve a própria ressonância nas palavras. Podemos acreditar que essa demência seja coisa de poeta, que se ouve nas palavras e procura poesia onde talvez ela ainda não exista. Com Augusto de Campos, percebemos que querer achar um sentido cabal para a poesia é um "quase", uma falta que persiste. Então, para buscar esse quase, essa falta, há um percurso, um itinerário demental, trilhado
more » ... ntal, trilhado neste ensaio a partir de Manoel de Barros, passando por Augusto de Campos, Paulo Leminski, Nicolas Behr, entre outros.
doi:10.35520/flbc.2017.v9n17a17324 fatcat:gng4nekpe5bm5b5ir3ovzzfi6i