MILITÂNCIA, REPRESSÃO E FORMA LITERÁRIA EM CAMINHO DE PEDRAS, DE RACHEL DE QUEIROZ, E OS SUBTERRÂNEOS DA LIBERDADE, DE JORGE AMADO

Márcio Henrique Muraca
2012 Revista Crioula  
Márcio Henrique Muraca  RESUMO: Este artigo aproxima os romances Caminho de Pedras (1937), de Rachel de Queiroz, e Os Subterrâneos da Liberdade (1954), de Jorge Amado, sobretudo o terceiro volume, A Luz no Túnel. Ao articular os aspectos formais de ambas as obras à representação do engajamento político versus a repressão do Estado, é possível verificar os dilemas da estrutura dos romances, uma vez que o conteúdo político é privilegiado em relação à forma. Isso acaba por revelar os conflitos
more » ... lar os conflitos internos da organização dissidente, bem como suas contradições. ABSTRATC: This article aims to approach two novels: Rachel de Queiroz's Caminho de Pedras (1937) and Jorge Amado's Os Subterrâneos da Liberdade (1954)especially the third volume, A Luz no Túnel. By linking formal aspects of both works to literary representation of political engagement versus state repression, it's possible to verify dilemmas in the novels structure, since the political content is privileged over the form. It reveals inner conflicts of the dissident organizations as well as its contradictions. PALAVRAS-CHAVES: Engajamento Político; Repressão do Estado; Literatura; Comunismo
doi:10.11606/issn.1981-7169.crioula.2012.57864 fatcat:xtd46t6rnrfenncsdg634jh4mm