PARADIGMAS DE ESTUDO DE LÍNGUA E ENSINO DE VERBO

Sheila Fabiana De Pontes Casado, Edmilson Luiz Rafael
2019 Revista Cadernos da Educação Básica  
Edmilson Luiz Rafael (PPGLE-UFCG) (eluizrafael@gmail.com) RESUMO: Neste artigo apresentamos resultados parciais de uma pesquisa sobre ensino da categoria gramatical verbo no Ensino Fundamental I. Focamos, para esse trabalho, a expectativa criada para os anos iniciais do Ensino Fundamental quanto a um ensino de língua que promova o conhecimento linguístico dos alunos centrado nos usos que se materializam em textos e estes em gêneros textuais, conforme as orientações contemporâneas. A questão de
more » ... nvestigação foi: sob que perspectiva paradigmática o ensino da categoria linguístico-gramatical verbo se apresenta na prática escolar de duas professoras do Ensino Fundamental (Anos Iniciais -5º Ano) de uma escola pública do Estado da Paraíba? Para responder a essa questão, utilizamos dados provenientes de registro de anotações de campo, aulas e de entrevistas com as professoras, em atuação no quinto ano do Ensino Fundamental no ano de 2018. A análise, fundamentada nos paradigmas dos estudos linguísticos e suas contribuições para o tratamento da categoria verbo, comprovou uma tendência para uma orientação didática centrada no paradigma dos usos linguísticos limitada por condições específicas da prática escolar. ABSTRACT: This article presents partial results of a research on teaching grammar verb category in Elementary Education I. We have focused, for this work, on the expectation created for the early years of elementary school as a language of instruction that promotes linguistic knowledge of the students focused in the uses that materialize in texts and these in textual genres, according to the contemporary orientations. The question of research was: under what paradigmatic perspective the teaching of the linguistic-grammatical verb is presented in the school practice of two elementary school teachers (initial years) of a public school in the State of Paraíba? To answer this question, we used data from field recordings, classes and interviews with teachers, in the fifth year of fundamental education, in the year 2018. The analysis, based on the paradigms of linguistic studies and their contributions for the treatment of the verb category, has shown a tendency towards a didactic orientation centered in the linguistic use paradigm limited by specific conditions of the school practice. Introdução Para contextualização do estudo apresentado neste artigo, consideramos como pontos de partida o impacto ou os efeitos da visão contemporânea dos estudos linguísticos acerca de língua e linguagem na prática escolar de ensino de Língua Portuguesa, bem como a permanente preocupação com a limitação de uma orientação considerada tradicional para esse ensino. De forma geral, a reflexão apresentada neste trabalho se insere na relação entre ciência linguística e tradição gramatical, como afirma Pietri (2012, p. 35), pela "legitimidade de tratar fatos de língua e de ensino de língua portuguesa". Quanto aos impactos ou efeitos, consideramos o contexto gerado a partir da difusão das contribuições dos estudos linguísticos que preconizam uma mudança paradigmática na concepção de língua e de linguagem. A principal mudança, nesse sentido, é a de apresentar formas de explicação da língua não apenas na consideração de fatores propriamente linguísticos, como nos lembra Camacho (2013). Assim, passa a predominar uma concepção que chama a atenção para a heterogeneidade da constituição de língua e de linguagem, em vez da homogeneidade preconizada pelo viés estruturalista. Basicamente, para o ensino, essa forma de pensar consolidaria não só no mundo acadêmico, mas também, nas orientações oficiais para o ensino, uma visão de linguagem como instrumento de interação social. No Brasil, dentre as diversas contribuições oriundas de estudos sobre textualidade, destacam-se duas orientações que impactam, de forma mais abrangente, a de inspiração bakhtiniana, que se materializaria, de forma mais evidente, com a proposta dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN) (BRASIL, 1997), e a de inspiração psicossocial, mas também bakhtiniana, que se popularizou como Interacionismo Sociodiscursivo, tendo por base as obras de Bronckart (1999), e de Schneuwly e Dolz (2004). Além do pressuposto paradigmático de compreender língua/linguagem de um ponto de vista heterogêneo, essas contribuições reafirmam, para o ensino, a necessidade da presença do "texto" como objeto central das atividades de ensino de língua, em substituição à frase isolada de um uso real. Porém, a novidade reside na apresentação do objeto gênero textual para sinalizar um objeto de ensino que melhor permita relacionar o que se ensina/aprende na escola com os usos efetivos da linguagem, tendo os textos como a materialização desses usos. Portanto, nessa perspectiva, o ensino da língua seria mais produtivo se os fatos linguísticos e gramaticais a serem estudados fossem sempre exemplares desses usos, assim como a sua produção.
doi:10.33025/ceb.v3i2.2078 fatcat:eujdi6hbsnalrcc3vv6fgkcqy4