ATENÇÃO PRÉ-NATAL NO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO, ACRE: INQUÉRITO DE BASE POPULACIONAL, 2007-2008

Suelen de Oliveira Cavalcante, Leila Maria Geromel Dotto, Sérgio Koifman, Margarida de Aquino Cunha, Maria Fernanda de Sousa Oliveira, Marli Villela Mamede, Pascoal Pascoal Torres Muniz
2012 Revista Baiana Saúde Pública  
A assistência pré-natal, com suas ações, orientações prestadas e medidas de prevenção adotadas, assegura a evolução normal da gravidez, buscando minimizar os riscos ou identificando-os o mais precoce possível. O objetivo deste estudo foi avaliar o perfil epidemiológico e a cobertura da atenção à gestação em Rio Branco, Acre. Este é um estudo transversal de base populacional, realizado durante 2007-2008, sendo entrevistadas 648 mães de crianças de zero a cinco anos. Os resultados apontam que a
more » ... dos apontam que a realização do pré-natal foi relatada por 97,6% das mulheres. Maiores prevalências de seis ou mais consultas ocorreram na faixa etária ≥ 35 anos (68,8%), com 10-14 anos de escolaridade (78,0%), solteiras (65,87%), cor branca (72,5%), com 1 a 2 filhos (67,5%) e residentes na zona urbana (72,79%). Mulheres com maior escolaridade, maior faixa etária, maior paridade e que realizaram seis ou mais consultas apresentaram melhor adesão à consulta no primeiro trimestre. As principais complicações na gestação foram anemia (44,4%), hipertensão (18,2%) e hemorragia (9,1%). Em 99% das gestações foi verificada a pressão arterial e o peso em todas as consultas. As mulheres que residiam na zona rural e possuíam cinco ou mais filhos apresentaram uma estimativa de risco de, respectivamente, 2,01 e 1,63, maior para a realização de menor número de consultas pré-natal comparativamente àquelas residentes na zona urbana e que possuíam um ou dois filhos.
doi:10.22278/2318-2660.2011.v35.n3.a285 fatcat:zuebsz4af5ggrfy547u3425qpq