O (re)conhecimento da tradução em sala de aula: sobre uma experiência prática com tradutor automático online

Linguagem & Ensino, Pelotas
unpublished
Resumo: Este artigo tece reflexões sobre a prática tradutória com ferramentas de tradução online (tradutores digitais), partindo do processo e resultados de uma atividade realizada com alunos de graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Catarina. Num primeiro momento, apresenta-se um panorama histórico do surgimento da tradução automatizada, enfatizando a diferença entre tradutores digitais e ferramentas de auxílio à tradução (CAT Tools) para, então, discutir o processo de construção
more » ... cesso de construção de sentidos no texto, considerando-se Bakhtin (2003) e Nord (1991), dificilmente contemplado por essa modalidade de tradução. Uma terceira etapa descreve a atividade realizada em sala, partindo de um texto-referência em língua portuguesa, versado para inglês, espanhol e alemão com o auxílio do Google Tradutor. Da perspectiva funcionalista alemã para os estudos tradutórios, destacam-se as limitações sintáticas, semânticas e pragmáticas das versões produzidas por essa ferramenta, bem como suas implicações para o processo de tradução e para o trabalho do tradutor. Palavras-chave: Tradução automática. Ferramentas de tradução. Prática tradutória funcionalista. Introdução Nos fóruns de debates entre profissionais da área de ensino de línguas estrangeiras, a tradução representa uma temática de conflito, marcada pelas antigas práticas pedagógicas de paradigmas estruturalistas sobre a aquisição de línguas estrangeiras (LE) e, consequentemente, seus reflexos nas atividades em sala. Somente a partir da década de 90 as novas concepções sobre texto, gêneros e tipologias textuais, práticas sociais e suas ressonâncias no ensino de LE, devolvem à tradução seu status no processo
fatcat:uxowkcfc4zc23nzozlhvzzzazy